Índia e Brasil querem uma nova ordem mundial e reformas no Conselho de Segurança das Nações Unidas que levem em consideração a nova realidade do mundo, afirma a presidente brasileira, Dilma Rousseff, em um artigo publicado no jornal "The Times of India".
"Brasil e Índia convergem fortemente para a reforma das organizações internacionais, seja a ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas e a criação de um novo modelo de responsabilidade do FMI ou o estabelecimento de novos fóruns de alto nível, como o G20, IBAS, BASIC e Brics", afirma Rousseff.

Dilma participa, em Nova Déli, da IV Reunião de Cúpula dos Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e na sexta-feira fará uma visita de Estado ao país anfitrião.

A visita, segundo a presidente brasileira, pretende "consolidar uma agenda bilateral substantiva e reforçar princípios similares de política externar, incluindo a defesa dos interesses de nossas populações pobres, promoção de crescimento econômico sustentável e uma posição internacional independente coerente com a nova ordem internacional".

Na primeira viagem à Índia como chefe de Estado, Rousseff ressalta que as duas democracias compartilham muitas semelhanças, apesar da situação geográfica, como o multiculturalismo e a diversidade étnica e religiosa.
"Brasil e Índia se destacam como modelos de crescimento, que conseguiram tirar da pobreza milhões de pessoas", afirma no texto.

 

O comércio entre os dois países, que assinaram mais de 30 acordos bilaterais, passou de 500 milhões de dólares em 1999 a 9,3 bilhões em 2011. A Índia é o 12º maior sócio comercial do Brasil.

Durante esta visita, os dois países assinarão o acordo "Ciência Sem Fronteiras" para permitir que professores e estudantes brasileiros possam estudar em universidades indianas e vice-versa.

Os países também pretendem ampliar a área de cooperação, centrada principalmente na tecnologia, medicina e defesa, além de estimular o turismo.

A visita de Dilma Rousseff à Índia também pode ser importante para decisão de Brasília sobre a compra de 36 caças.
Analistas e fontes do governo brasileiro afirmam que a decisão da Índia de negociar exclusivamente com a França para a compra de 126 Rafale – uma licitação avaliada em 12 bilhões de dólares – pode ajudar a convencer o Brasil a optar pelo mesmo avião.

 

Fonte: http://noticias.uol.com.br

Agradecimento: Anderson Nascimento (via E-mail)

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!