Vou ler-te teu futuro.

Isto é algo que te interessa.

Porque ao lê-lo para ti vou começar a conduzir-te por uma senda que desejo te mostrar, da mesma forma que venho te mostrando desde que começaste a ler.

Tu eras um ser que desejava a luz, a verdade, que busca à sua maneira tudo o que os seres humanos tem buscado desde o princípio dos tempos.

Tens muitas perguntas e este escrito vai te responder algumas. Haverá outras que terás que responder só.

Como os demais irmãos de tua raça, tu és um ser de luz que aspira à encontra-la fora, mas, sabes que a levas dentro.

Estás atento ao que ocorre no mundo porque te interessa, porém busca com afã dentro de ti, em tuas ponderaçaões os porquês do importante que ocorre fora.

Tens lido meus escritos e te têm intrigado, sentes que são diferentes dos demais que lês, porém, não sabes por quê.

Intriga-te saber se estou vivo ou se sou uma entidade como tantas outras que passam comunicados desde o mundo espiritual.

Inquieta-te que afirme coisas como se fosse porte de teu mundo, porém, às vezes as afirmo como se fosse alguém que as vê desde o mundo espiritual.

E tua inquietude nasce de que minhas palavras desafiam teus paradigmas.

Se eu afirmasse que sou uma entidade espiritual tu ficarias tranqüilo, pensarias que tudo está bem, que já o havias adivinhado e, portanto, classificarias estes comunicados nas gavetas que tens em tua mente com um rótulo: “coisas que se anunciam e que algum dia acontecerão”, entenderias que tua responsabilidade está limitada a estar inteirado do que foi dito nestas linhas e continuarias vivendo da mesma forma como fazes até agora. Talvez porias mais interesse nelas e até as recomendarias como algo bem bom para teus companheiros de caminho.

Mas, se pelo contrário aceitas que sou alguém como tu, que vivo no mesmo plano que tu. Então sou alguém que vim para desafiar tudo o que tu sabes; teus pensamentos discorreriam assim: como um ser humano como eu pode afirmar tudo o que afirmas com essa autoridade que dizes ter? Como te atreves a pôr em dúvida o que aprendi antes? Como ousas dizer que alguns dos caminhos que dia após dia são demonstrados que funcionam estão equivocados? Falas como se só o que dizes é certo e todos os demais estão equivocados.

O simples fato de me chamar Melquizedek tem desafiado o que tu acreditavas que sabias.

Porém…

Eu não obrigo ninguém a crer no que digo.

Eu não te forço a ler o que estás lendo.

Nem forço teus pensamentos a te inquietarem da forma como o fazem.

Eu te avisei que minhas palavras iam remover coisas de ti que pensavas já resolvidas; que iam pôr à prova o que tu pensavas que sabias.

E esse é meu propósito.

Não posso colocar encima de verdades equivocadas as verdades que te venho trazer.

Não resistiriam.

Há muitas coisas que se dizem sobre o mundo espiritual que necessitam ser corrigidas.

Já chegou esse tempo.

Mas, não me toca falar hoje sobre as verdades espirituais equivocadas, nem das entidades supostamente espirituais que vêm guiando alguns irmãos com grande capacidade de crer.

Meu propósito é gerar comunicados que, como noticiários, só anuniam coisas que nunca acontecem, mas, que mantêm o espectador atento a seu computador. Não sou dourado, no sentido em que o público qualifica os que dão anúncios espetaculares.

Meu propósito já anunciei, estou aqui para iniciar uma revolução silenciosa e para isto estou dando instruções que permitem aos que as seguem descobrir dentro deles o verdadeiro saber espiritual. O que nasce dentro deles, não o que vem de emissários de origem duvidosa.

Sim, vim para desafiar coisas que crês saber, porém não te preocupes, a única que se angustia é tua mente, não tu. Tu és um ser que possui a verdade dentro de ti. Essa é a verdade que desejo despertar. Ainda que isso requeira fazer um pouco de higiene mental.

Tenho que remover tuas verdades mais profundas, por isso é necessário pôr em dúvida teus paradigmas, se quiseres ter a flexibilidade que se requer antes de poder iniciar um crescimento interior.

Tenho tido conversações com muitos de vocês, maravilhosas.

Tenho lhes escutado. A todos aqueles que me têm chamado. Saibam que lhes tenho escutado. Também lhes tenho respondido, porém, estamos em processo de que aprendam a reconhecer as respostas. Estou tão próximo de vocês que têm sentido minha presença e isto os confunde mais, como se ao fazer as práticas que tenho recomendado só as fazem para demonstrar que eu estou equivocado.

Mas, não sou uma entidade espiritual no sentido que vocês dão a ela. Palavra. Sou tão real como vocês e tão espiritual como vocês. Creio que estariam mais contentes se pudessem ver uma foto minha, ou talvez, se pudessem falar comigo de boca a ouvido.

Eu também estaria. Estaria muito contente se tudo isto pudesse acelerar-se e eu pudesse estar com vocês compartindo momentos juntos. Mas, não vim para passar dias de campo ou reuniões de fraternidade aonde simbolicamente se fazem coisas para melhorar o mundo.

Vim para trabalhar.

Por centemas de anos, por milhares de anos tenho estado trabalhando junto com vocês.

E hoje venho para estar com aqueles que são trabalhadores conscientes, mais interessados em trabalhar do que “sentir-se próximo de um mestre”.

Para gerar esses sentimentos podem recorrer a outros cuja função seja essa.

Meu papel é outro e não vou gerar falsas expectativas.

No momento e até que não aconteçam coisas que estou esperando acontecerem, meu lugar de reunião com vocês será o ser interior. Aí, nesse lugar que venho citando desde o primeiro comunicado.

Não espero aparecer publicamente até que não se gerem certas condições de que necessito. Volto a afirmar: não tenho conexão, nem ligação alguma com algum outro Melkizedek que tenha chegado até vocês antes de mim, seja em forma de pessoa ou de organização. Não julgo seus trabalhos, nem seu labor. Eles são livres para seguir seus caminhos.

O que, sim, afirmo e isto é para aqueles que perguntam muitas vezes. Eu Sou Melquizedek. O responsável pela evolução da humanidade.

Entendo que aprenderam muitas coisas sobre questões espirituais, entendo que escutaram muito sobre hierarquia e entidades espirituais que, talvez, estejam sendo desafiadas aqui.

Entendo e por esta razão vou dedicar o último de meus escritos desta primeira faze[1] a esse tema.

Por enquanto interessa-me que recordes que tudo o que disse, o disse para ti.

Tu me interessas.

Não tua mente, nem teus conflitos, já os tem tido bastante ao longo de tua vida, como para que este novo conflito entre o que crias saber e o que agora te digo, te inquiete.

Estás suficientemente treinado para resolvê-lo. Eu o necessitava fazer se em verdade esperas ter essa clareza mental requerida para escutar tua voz interior.

Quando tenho te falado de teus desejos e sofrimentos, de tuas inquietações e teus medos tens te identificado plenamente. Sempre que te falo desde teu coração não tens problemas em identificar-te, porém, quando desafio o que crias tua mente saber te moves e te sentes agredido. Tranqüiliza-te… é só tua mente defendendo sua ingênua ignorância. Sempre atuará assim. Ela só se preocupa em pôr em ordem o que crê. Ela tem a função de te fazer sentir-se seguro; para isso é tua mente e se de imediato tem que aceitar que eu estou aqui isso lhe traz muitas inquietações porque te obrigará a fazer algo.

Para quê continuo estudando outras religiões, outras filosofias se já chegou aquele a quem esperava?

Se pertenço a uma escola que não aceita Melquizedek, o quê faço eu?

Se o responsável pela humanidade já chegou. O que tenho que fazer? Busco-o? Espero? Divulgo-o? Se sempre me considerei um buscador espiritual e agora vem alguém me dizer que ele sabe o que todos andamos buscando. Onde fica meu caminho?

Todas estas perguntas são inspiradas por u’a mente que teme.

Mudar é algo que inspira temor. Eu sei. Não te preocupes.

Por isso quero tornar mais fácil tuas decisões, pedindo-te que me busques aí, aonde não podes temer. Dentro de ti. É o lugar mais seguro que tens. Só aí podes estar seguro de que o que se passa é teu. Pois aí se gerou: dentro de ti. Tudo o demais que tenhas escutado fora, tudo o que tens aprendido de outros, tudo o que tens lido vem de fora. Não é teu… ainda que tua mente pense que sim.


[1] Este é o quarto comunicado de MVM Melquizedek, ele anunciou que só publicará 5, o último leva o título “O Mundo Superior“; a partir daí ele passará a outra etapa do seu trabalho.

Gostou? Então compartilhe!
Continua no capítulo 8…

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!