m dos mais intrigantes mistérios da arqueologia subaquática de nosso país,

uma descoberta que poderia mudar a história do Brasil!

Em 1976 um mergulhador anônimo encontrou em águas próxima a Pedra do Xaréu, Ilha do Governador, Estado do Rio de Janeiro, fragmentos do que seria um vaso de cerâmica e duas ânforas intactas. Segundo a pesquisadora americana, Elisabeth Will, as peças possuíam características romanas e poderiam ser do século III antes de Cristo. Já os especialistas brasileiros se mostraram céticos a descoberta.

Em 1982, o pesquisador e escritor americano Robert Marx, resolver por conta própria fazer novas explorações na região onde encontrou vários fragmentos de ânforas. Porém sua maior descoberta foi o casco de uma embarcação romana provavelmente do século III.

– Tudo indica que este barco de madeira estaria transportando as ânforas, desviou-se de seu curso e chegou ao Brasil bem antes de Cabral.  A partir deste momento iniciou-se um conflito de interesses:

Marx acusou o governo brasileiro de esconder provas que poderiam tirar de Cabral o título de descobridor do Brasil. Por outro lado, a Marinha acusou o pesquisador de ser um farsante:  – Os objetos não eram tão antigos assim, eles pertenciam a uma caravela portuguesa do século XVI, naufragada na região.  A falsa descoberta teria como intuito valorizar ainda mais as peças que Robert Marx pretendia contrabandear. (versão da marinha).

Como resultado deste conflito, Robert Marx foi expulso do Brasil. Para complicar ainda mais a história, um milionário chamado Américo Santarelli, alegou ser o dono da ânforas: – Elas teriam sido produzidas neste século e foram enterradas no fundo do mar propositalmente para ganhar um aspecto envelhecido.

O Pesquisador Francisco Alves, da CNANS de Lisboa, chegou a declarar no ano de 2003, após rever documentos relativos ao caso; que uma embarcação romana pequena com apenas um mastro, navegando contra o vento, sem lugar para armazenar água potável suficiente para uma viagem tão longa, não poderia atravessar o oceano e chegar até o Brasil.

Se esta descoberta, sendo autêntica, mudaria ou não a história.

Se tudo não passou de uma farsa, segundo a Marinha.

Se o milionário Américo Santarelli era realmente o dono das ânforas…

Acho que nunca conheceremos a verdade, afinal as ânforas desapareceram misteriosamente e até hoje ninguém sabe por onde elas andam.

Fontes:

nforasgregasdescobertaspeloIABManchetefev1978

Professor Claro Calazans Rodrigues e professor Ondemar Dias apresentando as ânforas gregas descobertas na Baía da Guanabara em 1975 Revista Manchete – fev, 1978

Revista Manchete – O Mistério das ânforas gregas – 4/3/1978

Jornal do Brasil – Ânforas provam presença de fenícios no Brasil – 1° Caderno, 25/09/1982

Primeiro de Janeiro – Romanos no Brasil antes dos Portugueses – 7 /10/1982

Diário de Notícias – Romanos chegam ao Brasil antes de Pedro Álvares Cabral – 22/10/1982

Revista Mergulhar – O Mistério das Ânforas – dezembro/1982

Correio da Manhã – Romanos no Brasil 17 séculos antes de Cabral – 21/12/1982

Diário de Notícias – Romanos no Brasil antes dos Portugueses – 26/02/1983

Manchete – Ânforas são falsas – 9/04/1983

Oceanic Society – Ancient Amphorae Found in Brasil -July/1984

Fonte | Enviado pela colaboradora Marluce de Oliveira

About Author

Trabalha na área de Controle de Qualidade em uma empresa Suíça. A espiritualidade fez com que Marluce despertasse espiritualmente. Sem um certo nível de consciência espiritual é impossível perceber a magia da vida.