Se observarmos os velórios dos artistas, políticos e celebridades de todo o mundo, vamos constatar que todos eram pessoas amáveis, prestativas, bondosas ótimos pais ou filhos e exemplos a serem seguidos. O mundo sentirá muita falta, não será mais o mesmo e assim por diante. Pessoas que muitas vezes nem se falavam na vida real, correm aos velórios com cara de tristeza lamentando a perda do grande amigo. Nunca vi alguém falando que o falecido não prestava, era um mau caráter, falso, enfim, que o mundo vai ficar melhor sem ele. Se isso fosse uma verdade, chegaríamos à conclusão que só morre gente boa e os pilantras vão ficando para semente. Mas fica a questão de porque transformar em gente boa os que morrem. Será que é medo de que o morto volte para se vingar de quem falou a verdade sobre ele? Será que é para aparecer ao lado da celebridade morta?

A História muitas vezes se encarregou de transformar pilantras em heróis e temos inúmeros casos de gente que não valia nada, mas que virou quase um herói depois de morto. Se a morte foi com muito sofrimento, pode até virar santo, mesmo que tenha tido uma vida de bandidagem.

Temos exemplos no mundo do cinema, nos EUA, onde um grande empresário de sucesso na verdade explorava seus funcionários, plagiava personagens de seus filmes, era um agente do FBI, delator dos seus amigos, e a História o transformou em um ícone do cinema e filantropo. Aqui no Brasil, tivemos o caso recente de um MC funkeiro que enaltecia a bandidagem e, após sua morte trágica, virou um mártir da música brasileira. Traficantes viram vítimas, e por aí vai. De acordo com a lei brasileira, ofender a memória dos mortos não é crime, mas pode constituir um dano moral, contra a honra da pessoa. Os crimes contra a honra são a calúnia, a injúria e a difamação. Calúnia, quando imputa a alguém um fato definido como crime; difamação, quando é contra a sua reputação e injúria contra a sua dignidade. Somente a calúnia está prevista, quando praticada contra os mortos. Se um morto sofre uma calúnia, os seus herdeiros podem exigir uma reparação, pois esse direito é transmitido por herança aos herdeiros. Talvez por essa razão, ninguém fala mal de uma personalidade morta, por mais que ela mereça. Seja por medo do fantasma do morto, seja por medo das leis dos Homens, o fato é que basta morrer para virar gente boa ou então, só morre gente boa.

About Author

Célio Pezza é escritor e colunista de diversos jornais e revistas no Brasil. Seus romances misturam ficção com realidade e trazem fortes mensagens por trás de cada história. Seu livro As Sete Portas foi traduzido para o inglês e editado no Canadá, EUA e Inglaterra. Sua mais recente obra, A Tumba do Apóstolo, foi lançada em 2014.