Naquele dia, num canto do céu, o Profeta do Islã olhava entristecido para o nosso mundo, sem entender os motivos de tantas loucuras, muitas delas em seu nome e sofria ao ver suas palavras perdidas nos ventos quentes dos desertos de sua terra. Por que não ouviram seus ensinamentos? Eles eram simples, fáceis de seguir, e os homens poderiam viver em paz.  Repentinamente, percebeu alguém ao seu lado; virou-se e viu seu irmão de fé, com a mesma expressão de dor, usando um manto branco manchado de sangue.

­─ Assalamu Aleikum!(¹) – Eles não entenderam a minha mensagem, diz o Profeta.

─ Shalom Aleichém!(²) – Também a mim não entenderam, respondeu o Nazareno!

Veja todo o mal que já causaram em meu nome! Desde as cruzadas até os dias de hoje, quantos já morreram pelo uso errado das minhas palavras. Os homens perderam a capacidade de ouvir e de entender. Nós fomos claros, demos exemplos, e eles não nos ouviram. Infelizmente eles se perderam ao longo do caminho, Profeta.

Naquele instante olharam para baixo e viram a Faixa de Gaza, a Síria, a Ucrânia e muitas outras partes da Terra em chamas e repleta de mortos e mutilados. De um lado, os seguidores do Torá invadem a Palestina enquanto aguardam o Messias. Do outro, os seguidores do Alcorão bombardeiam Israel enquanto alguns clamam por uma Jihad(³). Os dois lados perdem a conta dos seus mortos e feridos e se esquecem de que nunca vai existir uma guerra santa, pois uma guerra não pode ser santa.

Lá embaixo, as luzes assassinas dos mísseis mostram toda loucura humana e são embaladas pelo som de todos os tipos de armas criadas por mentes doentias, como uma sinfonia triunfal da morte contra a espécie humana.

Um rápido balanço mostra que, a cada ano que passa, existem mais conflitos e parece que o mundo inteiro está perdido. O som das cabeças cortadas pelo Estado Islâmico chega aos céus, misturado aos apelos dos que pedem a interferência divina.

─ O que sugere Nazareno? Tentaremos mais uma vez?

─ Você sabe a resposta, Profeta. Você sabe que existem muitos deles que ainda têm esperança, que acreditam em nós e num mundo melhor. Não podemos decepcioná-los.

─ Eu sei Nazareno! Por estes, faremos tudo de novo quantas vezes forem necessárias. Um dia, eles encontrarão uma forma de viver em paz.

─ Assim seja, Profeta!

─ Allah, o Misericordioso! Bendito seja! O nascente e o poente Te pertencem e notamos a Tua presença! ─ Falaram alguns fiéis que olhavam para o céu naquela hora.

─ O Messias está chegando, profetizaram outros! O tempo das mudanças está próximo!

 

(1) – Assalamu Aleikum! Que a paz esteja contigo! (saudação árabe)

(2) – Shalom Aleichém! A paz esteja convosco! (saudação hebraica)

(3) – Jihad – conceito islâmico que pode ser entendido como uma luta interna para se buscar e conquistar a paz em Deus. Ao contrário do que muitos pensam, não significa “guerra santa”, nome dado pelos europeus às lutas religiosas na Idade Média.

About Author

Célio Pezza é escritor e colunista de diversos jornais e revistas no Brasil. Seus romances misturam ficção com realidade e trazem fortes mensagens por trás de cada história. Seu livro As Sete Portas foi traduzido para o inglês e editado no Canadá, EUA e Inglaterra. Sua mais recente obra, A Tumba do Apóstolo, foi lançada em 2014.