“Bola de fogo” foi avistada no início da noite de segunda

Leandro S. Junges
leandro.junges@an.com.br

O apicultor Paulo Marcelo Adamek, 35 anos, é um observador atento do céu e da natureza da região de Itaiópolis, no Planalto Norte de Santa Catarina.

Com sua máquina fotográfica, registra nuvens diferentes, nevoeiros, temporais e até aviões. Tudo com o mesmo entusiasmo dedicado aos fenômenos mais raros, como a neve, as tempestades e granizo e a superlua, que estava em seu auge esta semana, dando um espetáculo aos amantes de astronomia.

No fim da tarde da última segunda-feira, entre 18h30 e 19 horas, quando Adamek saiu para fora de casa _ ele mora numa região afastada do Centro de Itaiópolis _ para ver a superlua, acabou avistando uma bola de fogo que cruzava o céu da região.

Sem pensar duas vezes, correu pegar a máquina e chamar a família para ver o que estava acontecendo. Ele filmou o objeto por 26 segundos e postou o vídeo na internet.

– Acabei de filmar uma bola de fogo cortando o céu aqui em Itaiópolis. A parte ao lado do vídeo é o beiral com a calha da casa. A máquina não é das melhores, mas da pra ver – descreveu.

A observação que encheu os olhos do apicultor não chegou a ser registrada perfeitamente pelo equipamento. Embora seja um apaixonado por mistérios da natureza, Adamek não é afeito a engrandecer ou exaltar as próprias filmagens.

Por telefone, ao falar sobre o que avistou, ele resumiu como “uma bola de fogo” e preferiu não fazer conjecturas ou levantar hipóteses.

O professor de física José Fernando Fragalli, que trabalha no Centro de Ciências Tecnológicas da Udesc Joinville, assistiu ao vídeo gravado pelo apicultor ainda na manhã de ontem.

Segundo ele, há grande chance de o objeto avistado ser um meteorito passando perto da Terra.

– Pelo que vi, parece ser algum tipo de bólido (um pequeno asteróide) atravessando a atmosfera terrestre. Como não há nada mais na imagem além do bólido, não dá para ter ideia de tamanho. É o que posso afirmar – disse.

Fragalli é um entusiasta da astronomia, da astrofísica e da cosmologia, sempre do ponto de vista científico, e promove palestras e encontros nas escolas. Ele também coordena um projeto de extensão aberto à comunidade que dá a oportunidade a qualquer interessado de observar o céu com telescópio.

Para ele, os fenômenos como as “bolas de fogo” são mais comuns nessa época do ano. Para o apicultor, o que mais importa não é a resposta definitiva do que era o objeto, mas a possibilidade de estar olhando todos os dias para o céu de Itaiópolis com os olhos bem abertos e a máquina fotográfica na mão.

FONTE
Dica do leitor Diego Romanini


NOTA do Editor 19h50m 1/9/15: Para todo e qualquer fenômeno estranho no céu, apenas diga que pode ser algum tipo de bólido. É sempre assim, sempre haverá um “especialista”. Qual a diferença de dizer que é lixo espacial, bólido ou nave extraterrestre? Nenhuma pois no final ninguém tem certeza de nada. Agora analise sob a visão do cinegrafista. Quem já se deparou com algo estranho no céu e filmou sabe que na imagem parece várias vezes menor do que realmente o objeto/fenômeno aparentava no céu. Faça o teste, veja a lua cheia, enorme e graciosa. Agora pegue seu celular e fotografe-a. Terá de resultado um pequeno ponto brilhante, com isso meus caros, temos que observar o objeto ali captado, multiplica-lo várias vezes e detalhar seus movimentos que, ao que o vídeo indica, sim era de forma desconhecida. Nem perto de um bólido. 

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!