As Operações de Falsa Bandeira mais comummente conhecidas consistem numa agência do governo a encenar um ataque terrorista, segundo o qual uma entidade não envolvida é culpada pelo massacre.
Como pelo menos dois milênios provam, operações clandestinas, com doses saudáveis de propaganda e de ignorância é uma grande receita para a Guerra. De Nero ao 11 de Setembro de 2001, via Pearl Harbor e ao incidente do Golfo de Tonkin… Joe Crubaugh fornece “os maiores sucessos de sempre” de operações clandestinas, em que um cenário repete-se: como o mundo continua a cair sempre na mesma mentira.

O império espanhol foi o primeiro império verdadeiramente global, atingindo o seu auge territorial no final de 1700.

Em 1898, a Espanha estava a perder territórios regularmente. Cuba também se estava a tornar cada vez mais difícil de controlar e uma pequena revolução eclodiu

Esta não foi uma boa notícia para as pessoas nos Estados Unidos que possuíam o açúcar cubano, tabaco e propriedades da indústria de ferro, avaliadas em mais de 50 milhões dólares americanos.

Os principais meios de comunicação, então dominados por magnatas de jornais, Joseph Pulitzer e William Randolph Hearst, exageraram, e sem rodeios fabricaram histórias de condições horríveis sob o domínio espanhol.

Seguindo a máxima milenar: “if it bleeds, it leads“, os jornais publicaram histórias sobre campos de extermínio espanhol, canibalismo espanhol e tortura desumana. Os jornais enviaram repórteres para Cuba.

Maine

No entanto, quando lá chegaram, encontraram uma história diferente. O artista e correspondente Frederick Remington escreveu de volta para Hearst: “Não há Guerra. Pedindo para ser lembrada a “famosa resposta de Hearst“: “por favor, permaneçam. Você fornece as imagens, eu vou fornecer a Guerra“.

E ele assim o fez. O seu jornal, continuamente gritando como a Cuba espanhola estava a caminhar em direção ao inferno, convenceram as grandes empresas nos EUA a colocar pressão sobre o presidente anti-Guerra William McKinley para proteger os seus investimentos cubanos.

McKinley, em resposta, enviou o navio de guerra USS Maine ao porto de Havana como uma pequena amostra da sua força.

Três semanas depois de chegar, na noite de 15 de Fevereiro de 1898, o USS Maine explodiu, matando 266 homens. Há duas teorias para a explosão: alguns acreditam que a explosão foi causada por uma mina externa que detonou os paióis de munições do navio.

Outros dizem que foi causado por um incêndio espontâneo no depósito de carvão que atingiu os paióis de munição. Atualmente, as evidências parecem favorecer a teoria da mina externa.

Sem esperar por uma investigação, os principais Meios de Comunicação da América culparam a Espanha da tragédia e “bateram os tambores” para a Guerra.

Em Abril, McKinley cedeu à pressão da opinião pública e assinou uma resolução do congresso que declarava Guerra à Espanha. Para ajudar a pagar a guerra Hispano-Americana, o congresso aprovou um imposto “temporário” de 3 por cento nas contas de telefone de longa distância.

Este era essencialmente um imposto sobre os ricos, já que apenas cerca de 1300 americanos possuíam telefones em 1898. Embora a guerra Hispano-Americana terminasse em 1898, o imposto temporário só foi abolido em… 2005. Durante a sua vigência, de 107 anos gerou quase 94 trilhões de dólares – mais de 230 vezes o custo da guerra Hispano-Americana.

A guerra Hispano-Americana colocou um grande prego no caixão do império mundial da Espanha. E até ao final de 1898, os Estados Unidos, que foi fundado em oposição ao imperialismo, encontrou-se no controlo não só de Cuba, mas das Filipinas, Porto Rico, Guam e das ilhas havaianas também.

FONTE

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!