Ninguém aqui presente, pelo menos fisicamente, estava na Terra há cerca de 2 bilhões de anos atrás, mas segundo os cientistas, há 2 bilhões de anos atrás partes de um depósito de urânio Africano sofreu espontaneamente uma fissão nuclear.

Em 1972, um trabalhador em uma fábrica de processamento de combustível nuclear notou algo suspeito em uma análise de rotina de urânio obtido a partir de uma fonte mineral da África. O material sob estudo continha três isótopos, três formas com diferentes massas atômicas: urânio 238, a variedade mais abundante; de urânio 234, o mais raro; e urânio 235, o isótopo que pode sustentar uma reação nuclear em cadeia. Durante semanas, os especialistas na Comissão Francesa de Energia Atômica mantiveram-se perplexos.

O que eles viram em Oklo surpreendeu a todos ali reunidos, o local onde o urânio teria originado é realmente um reator nuclear subterrâneo avançado que vai muito além das capacidades do nosso conhecimento científico atual, conta o site Extreme Tech.

Os investigadores acreditam que este reator nuclear antigo é de cerca de 1,8 bilhões de anos e manteve-se ativo por pelo menos 500 mil anos no passado distante. Cientistas realizaram várias outras investigações na mina de urânio e os resultados foram divulgados em uma conferência da Agência Internacional de Energia Atômica. De acordo com agências de notícias da África, os investigadores haviam encontrado vestígios de produtos de fissão e resíduos de combustível em vários locais dentro da mina.

Incrivelmente, em comparação com este enorme reator nuclear, nossos reatores nucleares modernos não são realmente comparáveis ​​tanto em design quanto em funcionalidade.

Em outros lugares da crosta terrestre, na Lua e mesmo em meteoritos, podemos encontrar urânio 235 átomos que representa apenas 0,720 por cento do total. Mas nas amostras que foram analisadas, que vinham do depósito de Oklo no Gabão, uma antiga colônia francesa na África Ocidental, o urânio 235 constituíam apenas 0,717 por cento.

reator-oklo-To-no-CosmosEssa pequena diferença foi suficiente para alertar cientistas franceses que havia algo muito estranho acontecendo com os minerais. Estes pequenos detalhes levaram a novas investigações que mostraram que pelo menos uma parte da mina foi bem abaixo da quantidade normal de urânio 235: alguns 200 kg parecia ter sido extraída no passado distante, hoje, esse montante é suficiente para fazer metade de um dúzia de bombas nucleares.

Logo, pesquisadores e cientistas de todo o mundo reuniram-se no Gabão para explorar o que estava acontecendo com o urânio de Oklo.

O que é surpreendente é que uma reação nuclear tinha ocorrido de um modo que o plutônio, o subproduto, foi criado e a própria reação nuclear foi moderada automaticamente.

Isso é algo considerado como um “Santo Graal” para a Ciência Atômica.

Alguns dos pesquisadores que participaram do teste do reator nuclear concluíram que os minerais tinham sido enriquecido no passado distante, cerca de 1,8 bilhões de anos atrás para produzir espontaneamente uma reação em cadeia.

Dr. Glenn T. Seaborg, vencendor do Prêmio Nobel  de Comissão de Energia Atômica  por seu trabalho na síntese de elementos pesados, ressaltou que para o urânio  “queimar” em uma reação, as condições devem ser exatamente certas. Por exemplo, a água envolvida na reação nuclear deve ser extremamente pura. Mesmo algumas pequenas partes por milhão de contaminantes irá “envenenar” a reação, levando-o a um impasse. 

Especialistas falaram sobre o incrível Reator Nuclear em Oklo, sendo uma das descobertas mais misteriosas da humanidade.

Se não foi um resultado gerado pelas forças naturais, como há a hipótese de ter acontecido, teria existido uma civilização avançada há cerca de 2 bilhões de anos?!

FONTE

About Author

Trabalha na área de Controle de Qualidade em uma empresa Suíça. A espiritualidade fez com que Marluce despertasse espiritualmente. Sem um certo nível de consciência espiritual é impossível perceber a magia da vida.