Foi em 1996 que ouvi falar de Peter Khoury sobre a amostra de cabelo que havia sido recuperado a partir do que pode ter sido uma abdução alienígena um caso de assédio sexual. Mas por volta de 1998, comecei uma investigação sobre a amostra do cabelo, quando os colegas bioquímicos concordaram em realizar o que foi o primeiro PCR (reação em cadeia da polimerase) perfis de DNA de material biológico envolvido em uma experiência de abdução alienígena. A análise confirmou que o cabelo veio de alguém que era biologicamente perto da genética normal humana, mas de um tipo racial incomum – um tipo chinês raro – uma das mais raras linhagens humanas conhecidas, que se encontra mais distante da linhagem humana, exceto para pigmeus africanos e indígenas.

Peter, que é casado, foi abordado sozinho, em casa, por duas mulheres que apareceram nuas sentadas em sua cama na manhã de 23 de julho de 1992.

Ele estava dormindo quando subitamente sentiu uma presença e despertou deparando-se com as visitantes. As mulheres, embora bonitas, tinham uma aparência estranha, olhos muito grandes e ossos maxilares extremamente largos; Khoury achou que não eram exatamente “humanas”.

Uma era loura e outra morena, com feições asiáticas. Seus cabelos chamaram a atenção. A loura, especialmente, tinha cabeleira irreal na textura e tonalidade. Perplexo, Khoury foi atacado e se defendeu, o que pareceu ter assustado as mulheres, que desapareceram. O homem sentiu incômodo no pênis e correu a examinar o órgão, onde encontrou os fios de cabelo louro e percebeu que tinha sido seviciado enquanto estava inconsciente, dormindo.

Esses fios foram cuidadosamente recolhidos e encaminhados para exame no Anomaly Physical Evidence Group. O resultado mostrou que a cor do cabelo era natural, sem tratamento químico e pertencia a um ser humano normal; não tinha correspondência com nenhuma etnia da Terra.

Foram encontradas cinco marcas distintivas de DNA que foram comparadas com 10 mil amostras. Marcas semelhantes somente foram encontradas em quatro amostras. As quatro pertencem a chineses de cabelos pretos.

AS MÚMIAS ATLANTES DE TAKLAMAKA

dna200703et

No fim dos anos de 1980, múmias de 3 mil a 4 mil anos, muito bem conservadas, foram encontradas no remoto deserto de Taklamakan. Essas múmias têm longos cabelos louro-avermelhados e feições européias.

Não parecem ser ancestrais do povo chinês contemporâneo. Victor Mair, um especialista em cadáveres antigos comentou: O DNA moderno e o DNA antigo mostram que Uighurs, Kakaks, Krygyzs, povos da Ásia Central são misturados com causasianos e asiáticos do leste.

Chamadas Tocharian Nordic Mummies, a primeira delas foi encontrada em 1989. Uma mulher branca, longos cabelos louros, preservada pela atmosfera seca do deserto.  Juntodela havia um bebê, um menino de aproximadamente 1 ano.

IN MESHREP

 

Anunnaki e Múmias Chinesas

O DNA mitocondrial é uma herança genética que passa, exclusivamente, pela linha materna, da mãe. Foi através do exame deste DNA da mitocôndria os cientistas chegaram à conclusão de que os quatro chineses e loura do caso australiano partilham um ancestral.

O caso remete à descoberta das múmias chinesas de Taklamakan, um desconcertante achado antropológico. As múmias com 3 mil anos de idade, de indivíduos louros e muito altos, foram encontradas no final dos anos de 1980 no deserto de Taklamakan.


A amostra de cabelo parece evidenciar que ele contém 2 genes para a proteína *CCR5 apagados e nenhum gene intacto para CCR5 apagados normais – este fator CCR5 eliminação tem sido implicados na resistência à SIDA. Para manter uma história muito complexa um pouco simples, o que parece ser sugerido pela gama de resultados é possível evidência de técnicas avançadas de DNA e anomalias de DNA e descobertas, para o qual só agora estamos descobrindo ou começando a fazer sentido em biotecnologia dominante.

*Nota: o CCR5, é um gene mutante, que é resistente ao HIV/AIDS. Foi descoberto por um cientista, há alguns anos como um gene resistente ao HIV, e que são encontrados em pessoas que tem a genética nórdica, principalmente aqueles que moram na Suécia. A descoberta mostrou que as pessoas que tiveram a doença conhecida como peste Negra, na idade Média, possuem esse gene mutante que fazem dessas pessoas imunes ao HIV.

O caso de assédio sexual de Khoury é por contraste bastante negativa. No entanto, em todos esses casos, a poderosa interação emotiva (principalmente telepática) entre os extraterrestres e os contatados é óbvia, como se poderia esperar dos seres.

Fontes:

http://www.sofadasala.com/extraterrestre/dna2007et.htm

https://contatoalienigena.blogspot.com.br/2015/12/dna-retirado-de-cabelo-de-mulher.html

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!