Incidente em Westall permanece um mistério – O maior avistamento em massa da Austrália

0

Incidente em Westall permanece um mistério e explicação de que um balão foi confundido com um UFO é criticada

O Incidente Westall, ocorrido em 06 de abril de 1966, é o maior avistamento em massa já ocorrido naquele país, e permanece um mistério até os dias de hoje. Naquela ocasião diversas testemunhas, entre alunos e professores da Westall High School e Westall State School, além de pessoas que transitavam nas imediações, observaram três objetos de aparência metálica manobrar no céu em plena luz do dia. Os UFOs desceram em um terreno próximo das duas escolas antes de decolar novamente.

No solo, ficaram marcas grandes e circulares de grama achatada, de bordas descoloridas e bem definidas. Nas horas seguintes o local foi tomado por membros de serviços de emergência, militares e repórteres, e várias das testemunhas afirmam terem sido intimidadas por homens vestindo ternos escuros, que as alertaram para nada falar a respeito do incidente. Edições dos dias posteriores do The Dandenong Journal apresentaram a cobertura do caso nas primieras páginas e o noticiário Nine News falou sobre o incidente. Contudo, a gravação dessa reportagem desapareceu da lata onde estava guardada.

Um dos pricipais pesquisadores do caso tem sido Shane Ryan, que inclusive entrevistou as 100 principais testemunhas. Ele comenta: “Foi muito incomum, aconteceu em plena luz do dia e foi testemunhado por muitas pessoas, que viram os UFOs pousarem, para em seguida decolarem novamente. Foi algo obviamente importante e agências do governo vieram investigar e tirar amostras do local”. Joy Clarke, que tinha 12 anos na época, descreve o que viu: “Estava na classe quando alunos entraram e nos contaram a história. Então saímos e eu vi três discos voadores”. Ela comentou acreditar que eram de outro mundo e conta o que ocorreu em seguida: “Os militares vieram, assim como a polícia. Eles nos disseram que estávamos histéricos e nada havia acontecido, e ao mesmo tempo homens de preto entrevistavam outros garotos”.

TENTATIVA DE SILENCIAR AS TESTEMUNHAS

Desenho baseado em descrições de testemunhas [Arquivo - Revista Ufo]

Desenho baseado em descrições de testemunhas [Arquivo – Revista Ufo]

Terry Peck foi outra testemunha na época. Ela jogava críquete quando observou os UFOs e decidiu segui-los. Ela descreve: “Cheguei a ficar a seis metros de um deles. Era maior que um carro e circular. Acho que vi algumas luzes por baixo dele. Duas garotas chegaram antes de mim. Elas estavam com muito medo, pálidas, e disseram que haviam desmaiado. Uma delas chegou a ser levada a um hospital”. Terry tem atualmente 56 anos e acrescentou: “Fomos todos reunidos e nos disseram para não falar a respeito”. Jacqueline Argent observou os UFOs através de uma cerca e atualmente com 58 anos também afirma ter tido contato com os homens de preto: “Fui levada até o escritório do diretor e três homens me interrogaram. Vestiam ternos caros e falavam bem. Perguntaram-me se eu havia visto homenzinhos verdes e depois meus pais ficaram enfurecidos com o que houve”.

Em 2014 o governo australiano liberou documentos oficiais descrevendo um projeto intitulado Hibal, conjunto com os Estados Unidos, de um balão não tripulado capaz de levar 180 kg de equipamentos. Cada artefato se destinava a medir níveis de radiação em grandes altitudes e os balões prateados foram apontados como uma possível explicação. Entretanto, faltam informações detalhadas sobre os lançamentos dos balões em abril de 1966, especialmente o do dia 5, véspera do incidente. Entretanto, conforme lembra Shane Ryan, as testemunhas claramente descrevem objetos com forma de disco pousando e decolando novamente, e deixando marcas bem definidas no solo, algo que um balão jamais poderia fazer. O mistério permanece e Ryan comenta: “O que esperamos é que apareça alguém do meio oficial e fale a respeito do que aconteceu”.

Revista UFO | Via email de Gilberto Melo

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!