O texto a seguir é uma opinião do autor do post

Durante os Jogos Olímpicos, tivemos a satisfação de ver a nossa bandeira subir ao pódio por inúmeras vezes, associada à alguma medalha conquistada por um brasileiro. Ela foi instituída, em 19 de novembro de 1889, apenas quatro dias após a Proclamação da República sendo uma adaptação da antiga bandeira do Império. Falando sobre as cores de nossa bandeira: o Verde simboliza a Casa de Bragança, da família real portuguesa, da qual fazia parte D. Pedro I. O Amarelo foi uma homenagem à Casa de Habsburgo na Áustria, da qual sua esposa, D. Maria Leopoldina fazia parte. Mais tarde, de uma maneira romântica, nossos professores nos ensinaram que o verde simbolizava nossas matas e o amarelo o nosso ouro.

O escudo imperial português foi substituído pelo globo azul, onde se encontra o lema positivista “Ordem e Progresso”. Esse lema é inspirado na doutrina Positivista de Augusto Comte, também chamada de “Religião da Humanidade”, onde não há espaço para o sobrenatural, pois todos os fenômenos têm origem e causa na natureza. Ela diz “ O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim”. Seu significado é que o Amor deve coordenar o princípio de todas as ações individuais e coletivas; a Ordem consiste na conservação e manutenção de tudo o que é bom e positivo; o Progresso é a consequência do desenvolvimento e aperfeiçoamento da Ordem. Dessa forma, do desenvolvimento da Ordem, resulta o aperfeiçoamento individual, moral e social. Esse lema significa “conservar melhorando”. Isto é, conservar e aperfeiçoar aquilo que existe de bom, através da correção e eliminação daquilo que é ruim. Ele busca condições sociais básicas, através do respeito aos seres humanos, fraternidade, salários dignos, etc., e o melhoramento do país em termos materiais, intelectuais e morais.

A doutrina Positivista diz que o Progresso conduz à Evolução da Humanidade. Durante a apresentação da nova bandeira, surgiu uma polêmica pois o bispo do Rio de Janeiro se recusou a abençoá-la devido a frase “Ordem e Progresso”, alegando que ela fazia apologia de uma seita divergente da religião católica, mas o lema foi mantido, graças ao apoio de republicanos, como Benjamin Constant. Quando Michel Temer disse que o seu lema é “Ordem e Progresso”, ficou clara a intenção de colocar ordem na bagunça reinante no país, além de tomar medidas para interromper o ciclo de recessão e retornar ao ciclo de progresso.  É um conceito Positivista que nada tem a ver com regimes militares e sim com conceitos de Amor e Ordem, para que haja o Progresso.

Célio Pezza / Agosto, 2016

About Author

Célio Pezza é escritor e colunista de diversos jornais e revistas no Brasil. Seus romances misturam ficção com realidade e trazem fortes mensagens por trás de cada história. Seu livro As Sete Portas foi traduzido para o inglês e editado no Canadá, EUA e Inglaterra. Sua mais recente obra, A Tumba do Apóstolo, foi lançada em 2014.