Metade das vítimas do 11/9 se desintegrou no ar?

0

Um dos grandes enigmas em torno dos acontecimentos do 11 de setembro de 2001 é o fato de que dentre as 2.753 que supostamente morreram nas torres do World Trade Center, apenas 1.634 puderam ser identificadas até agora. Isto quer dizer que as famílias de 1.116 vítimas não receberam uma única prova em onze anos das autoridades, que seus familiares de fato morreram. Não foi encontrado um único vestígio de tecido humano, absolutamente nada, nenhuma lasca de osso, nada de pele queimada, cabelo ou unha para que fosse possível realizar uma análise de DNA. Os familiares nada sabem, nada puderam enterrar e também não tem um túmulo para homenagear seus entes queridos. Quase metade das vítimas se desintegrou no ar!

O fato de que para 1.116 pessoas não foi encontrado qualquer vestígio dos cadáveres, nem ao menos um minúsculo pedaço do corpo, mostra que aquilo que o governo nos conta há 11 anos, como e porque neste dia desabaram três arranha-céus, é impossível e é uma mentira gigantesca. Como que poderia desaparecer quase metade das vítimas simplesmente sem deixar qualquer vestígio?

Acontece o maior atentado da história dos Estados Unidos e as autoridades não estão em condições de fornecer os principais pontos de uma investigação criminal, ou seja, a identificação das vítimas. A TV americana nos mostra incessantemente séries como CSI-Las Vegas, como especialistas da análise de rastros da polícia podem identificar os criminosos e as vítimas, a partir de uma mera poeira, com suas técnicas bacanas e seus modernos laboratórios. Por que isso não é possível para os 1.116 cadáveres em Nova York?

Nos contam que a estrutura metálica dos arranha-céus foi fragilizada pelo fogo e por isso os prédios desabaram. Se isso está correto, então todos os cadáveres deveriam estar no solo e poderiam ser resgatados durante o trabalho de remoção do entulho. Em qualquer desabamento de prédio da história, todas as vítimas foram encontradas, seus corpos estavam logicamente despedaçados ou esmagados, mas eles existiam. Por que falta quase metade dos corpos do World Trade Center?

O mais comprometedor é que das 1.634 vítimas, que foram reconhecidas positivamente até agora, não existe sequer um único corpo por inteiro, mas apenas pequenos fragmentos dos corpos que serviram para realizar a análise do DNA. Quer dizer que neste caso, os corpos não foram esmagados como acontece em um desabamento convencional, mas todos os corpos foram esfacelados, despedaçados em pequenas partes, totalmente estraçalhados e apenas pedaços minúsculos foram encontrados nos destroços. Além disso, pequenas partes dos corpos das pessoas que estavam nos edifícios foram encontradas e recolhidas a cem metros do local, sobre o telhado de prédios vizinhos.

Como eles foram parar lá? Por exemplo, como fragmentos de ossos de vítimas do 11/9 foram parar sobre o telhado do Deutsch Bank e foram descobertos acidentalmente em 2006? Qual força foi necessária para primeiramente destroçar o osso e então projetar as lascas lateralmente, em alta velocidade até o telhado?

A resposta lógica é que todos estes fatos apontam apenas para uma versão possível do que aconteceu: os prédios foram implodidos, deliberadamente e com planejamento, utilizando-se para isso explosivos. Isto explica porque foram encontrados nos entulhos apenas partes de corpos estraçalhados, e também sobre a cobertura dos edifícios adjacentes. Somente uma série de enormes explosões poderia transformar em pó as imensas torres, pulverizá-las completamente e, ao mesmo tempo, despedaçar os cadáveres e catapulta-los para longe.

stexp
Durante os 11 segundos que durou a queda das torres, o que nos aponta para queda livre e, também, para uma explosão, 2.753 corpos foram liquidados. Com os cadáveres aconteceu a mesma coisa que com os edifícios e mobiliário. Não foi encontrado por inteiro nenhuma mesa, armário, cadeira, computador, telefone ou algo que fazia parte da decoração interior. Tudo se transformou em fragmentos e poeira, juntamente com as paredes e lajes dos 110 andares. A monstruosa energia para realizar tamanha destruição só pode ter vindo de explosões e foi exatamente isso que mais de cem testemunhas vivenciaram e relataram.

Por exemplo, o zelador da torre norte, William Rodriguez, que trabalhava lá há 20 anos e conseguiu abrir as portas que dava acesso às escadas, salvando a vida de centenas de pessoas. Ele foi festejado como um herói e foi até recebido pelo presidente Bush na Casa Branca. Perante a comissão de investigação do 11/9, ele relatou sobre as explosões. Quando Rodriguez apareceu na mídia e contou que para ele teria sido uma “demolição controlada”, ele foi abandonado pelos políticos e pela mídia, ignorado e banido, e sua importante revelação não apareceu no relatório oficial.

Durante os longos trabalhos de remoção dos escombros, equipes especiais vasculharam com peneiras à procura de restos humanos. Nesta operação foram encontrados os fragmentos de 1.634 vítimas. Posteriormente, o entulho foi removido para um aterro sanitário. Devido à constante pressão dos familiares e da pergunta, onde ficarão os 1.116 membros desaparecidos das famílias, a cidade de Nova York reconheceu finalmente, após 11 anos, este mistério do desaparecimento dos cadáveres.

A mais alta autoridade legista da cidade, Casey Holloway, anunciou na segunda-feira para os familiares e a mídia, que eles irão vasculhar mais uma vez o aterro atrás de vestígios dos cadáveres. Trata-se de cerca de 60 carretas de material que deve ser desenterrado e os trabalhos durarão 10 semanas. Espera-se encontrar pelo menos alguma coisa que remeta às 1.116 vítimas desaparecidas, possibilitando assim uma análise do DNA.

Peter Gadiel é pai de uma das vítimas dentre as 2.753 e ao mesmo tempo presidente da associação “9/11 Families For a Secure America”. Ele disse, que ainda ignora o que aconteceu com seu filho James, na época com 23 anos, desde o trágico dia há mais de 11 anos. “Eu não tenho nenhum resto dele e não tenho ideia do que ele fizera neste dia. Eu posso imaginar, foi um horror”, disse Gadiel. Ele considera que a atual tentativa para esclarecer o caso dos desaparecidos é “muito pouco, muito tarde!” e trata-se de uma manobra política do prefeito Michael Bloomberg.

Os familiares forneceram objetos como pente e escova de dentes às autoridades como parâmetro de comparação, na esperança que os especialistas possam reconhecer seus parentes. Interessante é a declaração do instituto médico legal de Nova York diante da mídia, que com a utilização da mais nova tecnologia desde 2006, mais 27 pessoas foram reconhecidas, porém, elas não correspondem a nenhuma das vítimas. Isso é muito interessante. Quem são estas pessoas que ninguém alega serem desaparecidas, mas seus restos foram encontrados nos escombros? Por acaso pertencem aos criminosos que instalaram os explosivos e ao mesmo tempo foram liquidados por serem testemunhas perigosas?

A história do 11/9 é uma mentira e eles mesmos fizeram o serviço!

Por isso tudo aquilo que é justificado com o 11/9, como a chamada “Guerra contra o Terror” e todos nós somos potenciais terroristas aos olhos do governo e por isso devemos ser vigiados, controlados, espiados e destituídos das garantias constitucionais, tudo isso fede e foi inventado. Qualquer um que ainda considera correta a versão oficial do 11/9 e até a defende, ou é um idiota que não pode contar até três ou é um apoiador dos criminosos e inimigo da humanidade!

Alles Schall und Rauch | Fonte

Simulação de uma demolição/implosão controlada. No fim do vídeo é possível ver como ficaria o WTC se realmente estivesse entrado em colapso devido a um choque de um avião ou má condição da estrutura afetada:

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!