Cristo e Krishna

0

São muitas as semelhanças entre o Cristianismo em sua essência e a consciência de Krishna (Deus). A razão é bastante óbvia — eles são ambos caminhos para o mesmo objetivo — a consciência de Deus. É impraticável pensar que Deus se restringiria somente a um certo grupo de pessoas baseado na sua origem ou em divisões sectárias. Deus é universal, Ele não pode ser limitado por rituais ou convicções pessoais. Ele se manifesta de modos e formas mais receptivo às pessoas, baseado em: tempo, lugar e circunstância.

Ambas as religiões enfatizam rendição da mente, corpo e alma a Deus como os únicos meios de liberação. Quando o Senhor Jesus Cristo era interrogado pelos Fariseus sobre qual era o maior de todos os mandamentos, Ele respondeu claramente: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda tua alma e de todo o teu entendimento. Esse é o primeiro e o maior dos mandamentos” (Matheus 22:37–38). Semelhantemente todo o conteúdo do Bhagavad-gita é resumido no verso: “Abandona todas as variedades de religião e simplesmente rende-te a Mim. Eu te liberarei de todas as reações pecaminosas. Não temas.” (18:66).

A primeira vez que li sobre o nascimento de Krishna fiquei surpreso com as semelhanças com o nascimento do Jesus Cristo nos Evangelhos. Embora existam algumas variantes, o que é baste comum nos mitos, os conceitos permanecem os mesmos. A Wikipédia (em inglês) comenta o seguinte sobre o nascimento de Krishna:
De acordo com Bhagavata Purana, Krishna nasceu sem uma união sexual, mas pela “transmissão mental” divina da mente de Vasudeva no ventre de Devaki. Baseado em dados das escrituras e cálculos astrológicos a data de nascimento de Krishna, conhecido como Janmashtami, [Knott 2000, p. 61] é 18 de julho 3228 a.C e 3102 a.C. Krishna pertencia ao clã Vrishni de Yadavas de Mathura, [Pargiter, F.E. (1972) [1922]. Ancient Indian Historical Tradition, Delhi: Motilal Banarsidass, pp.105-107] e foi o oitavo filho nascido à princesa Devaki e seu marido Vasudeva. Mathura foi a capital dos Yadavas, na qual os pais de Krishna, Vasudeva e Devaki, pertenciam. O rei Kansa, irmão de Devaki, tinha subido ao trono, aprisionando seu pai, o Rei Ugrasena. Com medo de uma profecia que previu a sua morte nas mãos do oitavo filho de Devaki, Kamsa colocou o casal trancado em uma cela na prisão. Depois, Kansa matou os seis primeiros filhos, e o aparente aborto de Devaki do sétimo (que era na verdade uma transferência secreta da criança ao Rohini como Balarama), Krishna nasceu.
O livro Hindu Mythology, Vedic and Puranic, de W.J. Wilkins relata a encarnação de Vishnu:
Eu mesmo vou me encarnar na sua oitava concepção, e você deverá tomar um caráter semelhante ao embrião da prole de Yasoda, a esposa de um pastor chamado Nanda.
Esses relatos têm grandes paralelos com o Jesus dos Evangelhos. Jesus, assim como Krishna, teve uma existência pré-humana (João 8:58). Assim como Krishna foi uma “transmissão mental” divina da mente de Vasudeva para o ventre de Devaki, Jesus foi transferido dos Céus como o Logos, Pensamento Divino, para o útero de Maria. Jesus, antes de vir à Terra, estava “junto” de Deus e (João 17:5) foi enviado para dentro do ventre de Maria (Lucas 1:31), onde nasceu como a Encarnação Divina, tanto quanto Krishna era a Encarnação de Vishnu na Terra. – João 1:18.

Jesus, assim como Krishna, escapou da morte nas mãos de um rei iníquo. Herodes ficou com medo quando soube que um rei havia nascido em Israel, temendo perder seu trono, tanto quando Kansa temia perder seu. (Mateus 2:1-15) O nascimento, tanto de Jesus como de Krishna, foi profetizado (Mt. 1:23) e com o objetivo de eliminar o mal da Terra. – Cf. 1 João 3:8.

VEGETARIANISMO

Jesus Cristo disse: “Não matarás, mas qualquer que matar será réu de juízo” (Matheus 5.21). O verbo matar é aplicado a matança de pessoas e animais, não vegetais. Quando é só dirigido a pessoas, temos o verbo “assassinar”. Portanto é claro que Jesus Cristo se referia aqui a matança de animais também. As escrituras Védicas deixam muito claro que a matança de animais é algo extremamente pecaminoso, que impede o nosso avanço espiritual. Sri Krishna diz: “Se uma pessoa Me oferecer com amor e devoção uma folha, uma flor, frutas ou água, Eu aceitarei.” (Gita 9:26). Shri Krishna diz também: “Os devotos do Senhor se liberam de toda a classe de pecados porque comem alimentos que são primeiro oferecidos em sacrifício (oferecidos ao Senhor). Os demais, que preparam os alimentos para gozo pessoal dos sentidos, em verdade só comem pecado.” (Gita 3:13).

Na Bíblia encontramos várias outras referências ao vegetarianismo:

“Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça” (Romanos 14:21). “E disse Deus: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a terra, e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento” (Gênesis 1:29).

ENCARNAÇÕES DO SENHOR

O nome de Cristo revela alguma coisa sobre Seu caráter. A palavra Cristo ou “Christos” e a tradução grega do Hebraico “Messias” que quer dizer “o consagrado ou ungido”. Nas escrituras Védicas alguém que foi consgrado deste modo ou foi autorizado é chamado um avatara (alquém que desce), mais especificamente um “shaktyavesa avatara” — um que foi autorizado diretamente por Deus para descer para uma missão particular. No Brahma Samhita (Texto 46), é dito “A luz de uma vela que é passada a outras velas, embora queimando separadamente delas, é a mesma em sua qualidade. Eu adoro o Senhor Govinda que se exibe igualmente da mesma maneira nas Suas várias manifestações”.

O nome Jesus é derivado do nome Hebraico Joshua ou Jahveh, significando salvação ou libertação. Jesus é chamado assim porque ele salva ou livra os Seus fiéis do pecado. “Ela dará a luz um filho, a quem chamarás Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados” (Matheus 1:21). Semelhantemente, Sri Krishna declara: “Sempre e onde haja um declínio na prática religiosa, ó descendente de Bharata, e um aumento predominante da irreligião — neste momento Eu próprio desço”. (4:7–8). Quando Krishna diz que Ele próprio desce as escrituras explicam que isso significa 1) Ele vem pessoalmente, como fez a 5.000 anos na Sua forma original de Krishna ou a 500 anos atrás como o Senhor Caitanya Mahaprabhu ou 2) Ele manda um representante Seu, como o Senhor Jesus Cristo.

No Bhagavad-gita está escrito: “As entidades vivas neste mundo condicionado são minhas eternas partes fragmentárias. Por força da vida condicionada, elas empreendem árdua luta com os seis sentidos, entre os quais se inclui a mente” (Gita 15:7).

Assim nós vemos que há muitas semelhanças nas duas filosofias. Religião significa as leis de Deus. Pode haver diferença em práticas — na realidade haverá diferenças em práticas baseado em tempo, lugar e circunstâncias. Sri Krishna diz que de acordo com o modo da sua natureza a pessoa evolui um tipo particular de fé (Gita 17:3). O sábio que entende isso, procura os caminhos da consciência de Deus, conforme as Suas instruções originais, sem qualquer interpretação incentivada. Mas a essência de todas as religiões tem que ser a mesma — cultivar a constante consciência de Krishna, ou de Deus, e assim desenvolver amor puro por Ele. A vantagem das escrituras  védicas, é que nelas nós encontramos descrições detalhadas e científicas desse processo, sem limitações geográficas, culturais ou temporais, que todos podem aplicar em suas vidas, independentemente de sua idade, raça, cor, sexo, nacionalidade, religião, etc.

Porém,diferente de alguns cristãos os Hare Krishna respeitam muito a Jesus. Sua Divina Graça A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada, o fundador acharya da Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna (ISKCON), foi perguntado uma vez por um grupo de ministros Cristãos em Melbourne pela posição dele com respeito a Jesus Cristo, Prabhupada respondeu: “Ele é nosso Guru, Ele está orando a Deus, assim ele é nosso mestre espiritual”. Descrevendo Jesus Cristo como representante de Deus, Shrila Prabhupada disse: “Nós adoramos o Senhor Jesus Cristo e oferecemos nossas reverências a ele”.

FONTE

About Author

Reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, a estudante de Design de Moda pela UCS, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade, história e religião.