Em um concurso sobre colonização espacial promovido pela Nasa entre mais de 6.000 estudantes do mundo inteiro, um brasileiro levou o primeiro prêmio na categoria de mérito literário. Detalhe: João Paulo Guerra Barrera, de São Paulo, tem apenas seis anos.

O Nasa Ames Space Settlement Contest é realizado desde 1994 anualmente pelo Centro Ames de Pesquisa, órgão da agência espacial americana sediado na Califórnia. Ele é aberto a inscrições do mundo inteiro, por alunos de até 18 anos, dos ensinos Fundamental e Médio. As participações podem ser individuais ou em grupo, e há diversas categorias separadas por idade, além de um Grande Prêmio e prêmios de mérito artístico e literário — que envolvem todos os participantes.

Barrera, adiantado dois anos na escola (ele agora cursa o terceiro ano do Fundamental), ganhou o primeiro prêmio justamente numa das categorias que combinava competidores de todas as idades. Ele se viu em empate técnico com Nanitha Varma N., da Índia. Ela escreveu um poema chamado “My Quest” (Minha busca). Ele escreveu um jogo de computador, Sonic World Space Settlement, baseado em um livro bilíngue português-inglês que ele mesmo havia escrito no ano passado: No Mundo da Lua e dos Planetas/In the World of the Moon and the Planets. (Clique aqui para jogar.)

“Foi ele quem escreveu o livro, o jogo, e quem fez a programação sozinho”, conta Margarida Barrera, mãe do João Paulo, que, com o livro publicado, já é o escritor brasileiro bilíngue mais jovem de que se tem notícia. Ele completa sete anos neste dia 31. “Eu me senti muito feliz e com vontade de passear no espaço com gravidade zero”, descreveu o jovem vencedor do concurso ao Mensageiro Sideral. E os pais arremataram: “Felicidade extrema em saber que estamos no caminho certo em oferecer para ele uma boa educação e incentivar o gosto pela leitura e pelos desafios, sempre lembrando que a melhor herança que podemos deixar para ele é a firmeza em aspirar triunfos e a capacidade de assimilar insucessos.”

No game, um trio de crianças se aventura pelo espaço construindo um foguete a partir de peças recicladas e explora os planetas do Sistema Solar.

MELHOR DESEMPENHO

O Brasil registrou em 2011 suas primeiras participações no concurso anual da Nasa, cujo objetivo é estimular as próximas gerações de cientistas e engenheiros a imaginar o futuro humano no espaço. Mas prêmios mesmo só faturamos pela primeira vez agora, em 2017. Além da grande conquista de Barrera, outros quatro projetos brasileiros foram agraciados.

Uma equipe do Instituto Nossa Senhora da Piedade, no Rio de Janeiro, ganhou o terceiro prêmio voltado para alunos do terceiro ano do Ensino Médio, e tivemos três menções honrosas, uma para Eduardo N., do Colégio Nossa Senhora de Sion, em São Paulo, outra para Isabela Moreira Leite Postelhone de Freitas, da Escola Estadual Prof. Amilcare Mattei, de Marília (SP), e uma terceira para o grupo composto por Ana Beatriz Martins Costa, Ingrid Laíse Magalhães de Oliveira, Kauan Araujo Barbosa e Luisa Stolemberger Rodrigues, alunos do quinto ano da Escola Municipal Antonio Pedro Ribeiro, em Mogi das Cruzes (SP).

O concurso de 2017 foi o mais competitivo de sua história, com cerca de 1.500 trabalhos submetidos. “E o melhor desempenho do Brasil”, comemora Ivan Gláucio Paulino Lima, pesquisador brasileiro da Universities Space Research Association no Ames que fez da divulgação da atividade em escolas brasileiras uma de suas prioridades no ano passado. “Eu fiz 5 mil planfletos, deixei 2 mil na Secretaria Estadual de Educação de São Paulo e distribuí os outros 3 mil nas minhas 42 palestras durante as duas semanas que estive no Brasil no ano passado”, conta Lima.

Resultado: apesar de o concurso só aceitar trabalhos em inglês, o Brasil ficou em quarto lugar no “quadro de medalhas” entre os países participantes. Foram ao todo 211 premiações. Em primeiro lugar veio a Índia, com 138 delas, incluindo aí o Grande Prêmio. Em segundo lugar, a Romênia, que tem longa tradição de participação no concurso e ficou com 33 prêmios. Os Estados Unidos, país-sede, ficaram com 16. E o Brasil, na quarta posição, com 5.

E que ninguém subestime nosso resultado. Ficamos à frente de Japão, China, Canadá e Rússia, países com grande tradição na área espacial.“Imagino que as maiores dificuldades para a participação de brasileiros neste concurso eram a falta de divulgação, a ausência de exemplos de sucesso e a restrição do idioma”, diz Lima. “Este ano superamos essas três dificuldades, provamos que temos muito talento e potencial. Espero que nos próximos anos todo esse potencial seja transformado em realidade, e que nossos jovens estejam cada vez mais preparados para um futuro de rápidas transformações.”

VG Notícias

About Author

Trabalha na área de Controle de Qualidade em uma empresa Suíça. A espiritualidade fez com que Marluce despertasse espiritualmente. Sem um certo nível de consciência espiritual é impossível perceber a magia da vida.