O seu nome, tal como o de Sara no Antigo Testamento, pode ser um nome hebraico que indica uma mulher de alta sociedade, que algumas vezes é traduzido como “princesa” e outras “senhora”. Já o epíteto Kali deve significar “negra”, da língua indiana sânscrito, por sua tez ser escura.  As lendas a identificam como a serva de uma das três mulheres de nome Maria que estavam presentes à crucificação de Jesus. E algumas lendas dizem que ela era filha de Jesus e Maria madalena.

Seria Santa Sara Kali, a padroeira dos ciganos, filha de Jesus com Maria Madalena?

O que diz a lenda sobre a fugitiva Sagrada Família? No Novo Testamento, o Evangelho de Mateus relata que a Sagrada Família fugiu para o Egito com o objetivo de evitar que seu filho fosse morto pelo rei Herodes, que estava preocupado com a sua reivindicação ao trono de Israel. José, o marido de Maria, recebeu uma mensagem em um sonho para fugir com ela e Jesus para o Egito (Mateus 2:13). Os modernos estudiosos da Bíblia acreditam que tudo isso é um mito usado pelo autor desse Evangelho para fazer cumprir as palavras do profeta: “…e do Egito chamei meu filho” (Oséias 11:1). A indicação da verdade nessa história é a forte tradição de perigo para a linhagem real de Judá. Um Evangelho apócrifo é a fonte da tradição de que o cajado de São José floriu para indicar que Deus o escolhera para ser marido de Maria e pai terreno de Jesus. Mas o “cajado florido” – mostrado na mão de São José nas igrejas católicas de todo o mundo – também serve para nos lembrar de que José era o guardião da “muda”, que seria o próprio Jesus, com base em uma profecia de Isaías: “Então brotará um rebento do cepo de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará” (Isaías 11:1).

Contudo, uma tradição derivada de uma antiga lenda francesa nos diz que… José de Arimatéia era o guardião do Sangraal e que a criança no barco era egípcia, o que significa, literalmente, “nascida no Egito”. Parece provável que depois da crucificação de Jesus, Maria Madalena tenha considerado necessário esconder-se no refúgio mais próximo para proteger seu filho ainda não nascido. José de Arimatéia, influente amigo de Jesus, pode ter sido o seu protetor.

Se nossa teoria está certa, a criança nasceu de fato no Egito, tradicional lugar de asilo para judeus cuja segurança se encontrava ameaçada em Israel. Alexandria era acessível a quem partia da Judéia e abrigava comunidades judaicas consolidadas na época de Jesus. É muito provável que tenha sido então o refúgio emergencial de Maria Madalena e José de Arimatéia. Anos mais tarde, eles teriam deixado Alexandria e buscado um lugar mais seguro no litoral da França.

Estudiosos de arqueologia e lingüística descobriram que os topônimos e lendas de uma região contêm “fósseis” de seu passado remoto. Os fatos podem ser alterados e as narrativas abreviadas no decorrer do tempo, mas traços “fossilizados” da verdade permanecem enterrados sob os nomes de pessoas e lugares. Todo ano, de 23 a 25 de maio, realiza-se um festival na cidade de Les-Saintes-Maries-de-La-Mer, na França, no santuário dedicado a Santa Sara, a egípcia, também chamada de Sara Kali, a “Rainha Negra’: As pesquisas revelaram que esse festival, cuja origem remonta à Idade Média, homenageia uma criança “egípcia” que acompanhava Maria Madalena, Marta e Lázaro quando de sua chegada à região, num pequeno barco, por volta do ano 42 d.C. Parece que se difundiu entre os habitantes locais a suposição de que a criança, por ser “egípcia”, tinha pele escura. Como não se encontrou nenhuma outra explicação razoável para a sua presença, deduziu-se, posteriormente, que ela devia ter vindo de Betânia como serva da família.

O nome Sara significa “rainha” ou “princesa” em hebraico. Essa Sara é também caracterizada nas lendas locais como uma “jovem”, não mais que uma criança. Existe, portanto, num pequeno povoado do litoral da França, um festival anual em homenagem a uma menina de pele escura chamada Sara. O “fóssil” dessa lenda está no fato de a criança se chamar “princesa’: em hebraico. Uma filha de Jesus nascida depois da fuga de Maria Madalena para Alexandria teria cerca de 12 anos na época da viagem à Gália referida na história. Ela, como os príncipes da linhagem de Davi, é simbolicamente negra, “não reconhecida nas ruas” (Lamentações 4:8). Madalena era ela própria o “Sangraal”, no sentido de ter sido o “cálice”, ou receptáculo, que um dia carregara in utero a descendência real. A negritude simbólica da Noiva dos Cânticos e dos príncipes davídicos das Lamentações se estende a essa Maria escondida e sua filha. O festival de Sara Kali, a Negra Sara, parece assim acontecer em homenagem a essa mesma criança simbolicamente negra.

Acredita-se que as pessoas que, nos séculos posteriores, conheceram essa lenda e a identidade de Madalena como mulher de Jesus a equipararam à Noiva Negra dos Cânticos. Ela era a Noiva-Irmã e a Amada. Sua “negritude” teria sido simbólica de sua condição oculta. Tratava-se da rainha desconhecida – não declarada, repudiada e caluniada pela Igreja no transcorrer dos séculos, numa tentativa de negar a linhagem legítima e manter suas próprias doutrinas sobre a divindade e o celibato de Jesus.

Fósseis da verdade permanecem enterrados em símbolos, nomes de pessoas e lugares, rituais e contos folclóricos. Ao entendermos isso, torna-se plausível que a fuga para o Egito tenha sido empreendida pelo “outro José”, José de Arimatéia, e a “outra Maria”, Maria Madalena, após a crucificação, para proteger dos romanos e dos filhos de Herodes o filho ainda não nascido de Jesus. As discrepâncias na história e o óbvio pulo de uma geração podem ser facilmente compreendidos à luz do perigo que rondava a linhagem – exigindo todo o segredo possível quanto ao seu esconderijo – e em decorrência do tempo que transcorreu antes que o relato fosse redigido. Parece ser mais um caso de um mito que foi se formando, uma vez que a verdade era perigosa demais para ser contada.

Fonte: “Maria Madalena e o Santo Graal – A mulher do vaso de alabastro” de Margaret Starbird (um dos livros que inspiraram “O Código Da Vinci” de Dan Brown)

FONTE

 

About Author

Reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, a estudante de Design de Moda pela UCS, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade, história e religião.