O mestre Jesus nos ensinou: “Não vos preocupeis dizendo: Que iremos comer? Que iremos beber? Ou ainda: Com que nos vestiremos? (…) Vosso Pai celestial sabe que necessitais de todas essas coisas. Buscai, assim, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6, 31-33).

Veja que Jesus nos diz claramente: devemos buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todo o resto nos será acrescentado. Muitos entendem o Reino de Deus como igreja, religião, mas estão enganados. O Reino de Deus está dentro de nós, não importa o lugar onde estamos. O Reino de Deus é pura e simplesmente o AMOR. Mas não qualquer amor, é o amor incondicional, aquele que Cristo nos ensinou, quando amamos sem nada esperar em troca. É a perfeição. Quando vibramos no amor e só vemos amor em tudo e em todos, chegamos à perfeição do Mestre Jesus. Onde há o verdadeiro amor, o ego se dissolve.

É nisso que consiste o carpe diem. Viver no agora, amar o dia de hoje, esquecer o passado, livrando-se de mágoas e decepções, desapegando-se do ego, e deixar o futuro no lugar dele. Pensar demasiadamente no futuro é sofrer por antecedência, é sentir culpa e ansiedade. Do mesmo modo, apegar-se ao passado é viver frustrado e depressivo.

O tempo é uma ilusão. O agora é o que tem valor. Quando você está focado no tempo (passado ou futuro), perde o agora, a coisa mais preciosa que existe. Honre o passado, mas não se perca nele. Planeje o futuro, mas sem sofrer antecipadamente com suas projeções, que na maioria das vezes são meros reflexos do ego.

A preocupação é pura perda de tempo e não serve para nada. Tédio, raiva, tristeza e medo não são estados seus, não são pessoais. São condições da mente humana que vêm e vão. Nada do que vem e vai é seu. E nenhum sentimento negativo condiz com o amor.

Se estar centrado no momento agora é intolerável e traz infelicidade a você, existem três maneiras de resolver isso: retire-se da situação, mude a situação ou aceite a situação totalmente. Não estar presente no agora é uma forma de escapismo. Aceite o momento presente, seja ele bom ou ruim. Sempre trabalhe com o momento e não contra o momento. A aceitação não é um estado passivo. Ela simplesmente nos traz paz e uma nova consciência.

Se você tem vícios, elimine-os. Todo vício começa com uma recusa inconsciente para enfrentar e lidar com a própria dor. Qualquer vício começa com dor e termina com dor. Não importa a substância na qual se é viciado (álcool, comida, drogas legais e ilegais ou uma pessoa), a pessoa viciada está usando algo ou alguém para encobrir sua dor.

Solte tudo o que o incomoda. Não lute contra nada. O que você resistir, vai persistir. Não resista à vida e estará em um estado de graça, de facilidade e de brilho. Solte o que está emperrado na sua vida e veja como tudo vai fluir daí para frente. As coisas, as pessoas, as condições que você pensava que precisava para sua felicidade chegarão até você sem luta ou esforço da sua parte, e você estará livre para apreciá-las enquanto durarem. Essas coisas vão passar, ciclos vão começar e terminar, mas sua não dependência lhe dará segurança e você não sofrerá mais com o medo da perda.

Não tente controlar a vida, pois nenhum homem tem poder sobre o dia de amanhã. Nós planejamos, mas nem sabemos se estaremos vivos. Esteja completamente presente no agora, pois pode ser que nem haja o próximo momento. Quando começamos a honrar o presente, a infelicidade e a luta se dissolvem e a vida começa a fluir com contentamento e facilidade.

O momento presente é a coisa mais preciosa que existe, e a primeira atitude para começar a viver no presente é parar de se identificar com a mente. Estar identificado com a mente é estar preso no tempo: a compulsão de viver quase exclusivamente pela memória e antecipação. Liberte-se das armadilhas de sua mente. O começo da liberdade é perceber que você não é “o pensador”. Quando você começa a observar o pensador, um nível mais elevado de consciência se torna ativo e você percebe que existe um vasto campo de inteligência além do pensamento, que o pensamento é apenas um pequeno aspecto da sua inteligência. Você também começa a perceber que todas as coisas que realmente importam — beleza, amor, fertilidade, contentamento, paz interior — aparecem além da mente. Você começa a acordar.

Dicas preciosas

1. Seja positivo. Brinque mais com a vida, não a leve tão a sério.

2. Não reclame. Quando você reclama, se coloca no papel de vítima. Reclamar é não aceitar o que existe.

3. Aprecie o ser, e não o fazer.

4. Sempre que interagir com alguém, esteja totalmente presente.

5. Pare de dar explicações para tudo e não se preocupe com o que os outros pensam de você. O importante é estar em paz com a sua consciência.

6. Não desempenhe papéis em suas interações. Seja você mesmo. Se alguém tiver que gostar de você, vai gostar do seu verdadeiro ser, e não da imagem que você deixa transparecer para as pessoas. Seja autêntico. Lembre-se de que um dia toda máscara cai.

7. Não deseje a felicidade. Se desejá-la, não vai encontrá-la. Apenas seja feliz vivendo o aqui e o agora e sendo grato por tudo o que tem. A diferença entre felicidade e paz interior é que a felicidade depende das condições que são percebidas como positivas; e a paz interior não depende dessas condições. Ela está ali independentemente de qualquer situação.

A iluminação é um estado de plenitude, de estar em unidade e, portanto, em paz. Somente isso. Nada mais. Não tem nenhuma formula mágica. Viva o agora, seja grato por tudo, inclusive pelo seu passado e pelo que virá, mas não se prenda a isso. Quando vivemos na fronteira entre o passado e o futuro, não valorizamos a maravilha que se chama PRESENTE.

Carpe diem!

FONTE

About Author

Reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, a estudante de Design de Moda pela UCS, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade, história e religião.