Astrônomos indianos descobriram um enorme superaglomerado de galáxias a 4 bilhões de anos-luz de distância na constelação de Peixes. O objeto, conhecido como o superaglomerado de Saraswati, se estende por 600 milhões de anos-luz e tem uma massa de 20 milhões de bilhões de sóis.

A descoberta, relatada no Journal Astrophysical, lança uma controversa nas obras do atual modelo cosmológico. O superaglomerado é muito grande para estar no local 10 bilhões de anos após o Big Bang. Contém 43 aglomerados de galáxias, e de acordo com o modelo atual, não deveria ter tido tempo para se acumular nesse tamanho.

“Nosso trabalho ajudará a esclarecer uma pergunta desconcertante: Como essas amplitudes de densidade de matéria, de extrema grande escala, se formaram bilhões de anos no passado, quando a misteriosa energia escura acabara de dominar a formação da estrutura”, disseram os autores do artigo do Centro Inter-Universitário de Astronomia e Astrofísica e do Indian Institute of Science Education and Research.

“Nós ficamos muito surpresos ao detectar esse superaglomerado de galáxias, visível em uma grande pesquisa espectroscópica de galáxias distantes, conhecida como Sloan Digital Sky Survey. Este superaglomerado é claramente incorporado em uma grande rede de filamentos cósmicos rastreados por aglomerados grandes”, acrescentaram os autores.

As galáxias não são distribuídas aleatoriamente no universo, elas são distribuídas em uma estrutura filamentar chamada teia cósmica. A teia cósmica é uma das previsões do modelo cosmológico que exige a presença de matéria escura e energia escura, os dois componentes misteriosos do universo.

A matéria escura é um tipo de matéria que só interage com a gravidade, e é a suposta causa da expansão acelerada do universo. O modelo cosmológico havia predito com sucesso várias características que observamos no universo, mas, como ainda não sabemos o que é matéria escura e energia escura, provavelmente terá que ser reconsiderado para incorporar novos achados como a formação desse superaglomerado.

Compartilhamos com vocês uma matéria interessante, o que vem a ser o primeiro vislumbre de um conglomerado de Galáxias pertencentes ao quinto ou sexto Super Universo.

O Universo se divide em 7 Superuniversos físicos equivalentes à nossa realidade e 5 Superuniversos voláteis ou sutis em frequências invisíveis, partindo do núcleo que é denominado de Havona.
Havona é uma gigantesca ilha central de emanação de todas as formas de radiação e campos energéticos. É um portal para outros desdobramentos do Universo e da Fonte que Tudo É. É o centro administrativo e co-criacional dos superuniversos:
1 – Arathelyz
2 – Mesaguar
3 – Aja-Luxa-Ham
4 – Merone
5 – Haratreya
6 – Linathyl
7 – Orvotón
8 – Unana
9 – Norashi
10 – Acadham
11 – Tharogan
12 – Micahel
Cada Universo representa um berço da Criação, onde bilhões de mônadas apresentaram-se e foram criadas para aprender a cocriar da mesma forma que seus criadores primordiais. O processo evolutivo não é sequencial de um superuniverso para o outro, ficando a critério de cada mônada na sua proposta em cada etapa evolutiva.

O nosso Universo local chama-se Nebadon e se encontra dentro do Superuniverso de Orvotón.

FONTE

About Author

Reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, a estudante de Design de Moda pela UCS, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade, história e religião.