Vamos deixar claro que não há mais desculpa. Não devemos tolerar manifestações daquilo que sentimos ser uma visão retrograda e injusta, especialmente não da parte de líderes religiosos e muito menos de políticos e mestres espirituais.  O machismo já era!

Muitos me perguntam sobre a posição das mulheres. Fico até impressionado. Precisamos ainda falar? Mas precisa sim. Aqui vou explicar minha visão do machismo e, ainda, do machismo que encontramos nas tradições religiosas e políticas – e até dentro das casas. Primeiro, vamos falar o que me parece totalmente óbvio: chega de machismo! Machismo, ou sexismo, é parte de um processo danoso e falho: julgar um grupo de pessoas pela casca, pela superfície. Como se pudéssemos definir características e habilidades simplesmente pelos órgãos sexuais e cor da pele, ou pior ainda, nacionalidade, classe econômica e religião. Pelo amor de Deus!

Crédito da foto: Divulgação/TV Globo/Fábio Rocha/GShow

Generalizações desta natureza não servem para nada, exceto para causar dor e confusão. Cada pessoa tem suas características. Nem sequer dá para generalizar sobre uma única pessoa! Cada um tem suas virtudes, seus pontos fracos, suas habilidades e seus defeitos. E tudo isso em constante mutação. O que dizer então de querer traçar paralelos e julgar todo um grupo gigantesco de pessoas. Nada de bom pode sair disso.

Que tal aquela famosa generalização: mulheres são mais emocionais. Ah, é? Raiva, inveja, frustração, ansiedade são emoções também. Conhece quantos homens desprovidos destas emoções? E homem é desprovido de amor? Espero que não. Todo ser humano experimenta emoções a cada instante, e seu comportamento é influenciado pelo que sente.

Com qualquer ser humano, tudo é uma questão de oportunidade, encorajamento e treinamento. Com estes elementos, não há como traçar regras do que uma mulher vai fazer e o que um homem vai fazer. Vai depender do indivíduo e suas inclinações e inspirações.

Mulher é ruim nas exatas? Minha esposa tem doutorado em astrofísica. Mulher é ruim de luta? Então que um homem que pense assim que entre na gaiola do MMA com uma das milhares de profissionais de luta. Mulher não é valente? Então vai encarar as mulheres de batalhões de tropas especiais dos EUA, Noruega, Israel… e do BOPE aqui do Brasil. Besteira querer generalizar. Não funciona.

E como fica a questão do machismo que encontramos nas religiões, em gurus, santos e textos sagrados?

Temos que entender que tudo espiritual é puro. Mas o espiritual quando se manifesta na matéria, naturalmente é tingido por ela. Grandes santos, grandes gurus e tradições inteiras naturalmente se manifestam dentro daquilo que é chamado de um “veículo cultural”.

O fato é que, praticamente dizendo, o machismo predominou como um padrão da sociedade, até hoje. Em todos os lugares, em toda a história, com raríssimas exceções, manteve-se o conceito da mulher como um ser inferior em muitos aspectos, o homem como o líder da sociedade, e responsável por proteger e guiar a mulher. Naturalmente, portanto, esta influência se manifestou em textos sagrados e nas instruções de líderes espirituais.

Não devemos, portanto, julgar estas tradições e estes líderes religiosos por isso. Não acho justo culpar alguém por expressar o que, na época, era visto como algo normal e bem-intencionado. Era como estavam enxergando o mundo, há milênios!

Nem por isso devemos perpetuar esta visão que não mais nos serve. Então eu proponho este equilíbrio: não cometa o erro de julgar toda uma tradição ou um grande guru por expor conceitos que hoje soam como machistas, mas, por favor, não podemos perpetuar o erro. Vamos deixar claro que não há mais desculpa. Não devemos tolerar manifestações daquilo que sentimos ser uma visão retrograda e injusta, especialmente não da parte de líderes religiosos e muito menos de mestres espirituais. Vamos declarar abertamente que o machismo já era!

Veja aqui meu vídeo sobre este tema:

Seu amigo,

Giridhari Das

Enviado por Harlley Alvez Communications

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!