“Citando as sanções dos EUA contra Teerã, o Facebook teria bloqueado uma soma de US$ 200.000 levantada em uma campanha on-line lançada por um médico iraniano com sede nos EUA para ajudar as pessoas atingidas pelo terremoto da província de Kermanshah no Irã.

Quando Tohid Najafi leu pela primeira vez que um devastador terremoto de magnitude 7,3 atingira seu país natal, o Irã, ele não perdeu tempo.

Médico com sede em Detroit nos Estados Unidos, Najafi rapidamente configurou uma página no Facebook para arrecadar dinheiro para as famílias das vítimas e os sobreviventes do desastre de domingo.

O terremoto matou pelo menos 450 pessoas e feriu mais de 7.000 no Irã e no vizinho Iraque. Cerca de 15 mil casas foram destruídas, deixando cerca de 70 mil pessoas sem residência.

Vendo a extensão do dano, Najafi reuniu na segunda-feira os 65 mil membros de seu grupo online, persas americanos, para ajudar.

Ele estabeleceu uma meta por US$ 110.000 no mês que vem e esperava que no primeiro dia ele conseguisse levantar até US$ 15.000.

Mas quando ele acordou na manhã seguinte, os doadores on-line já haviam desabafado em mais de US $ 80.000. Na quarta-feira, a soma levantada superou US $ 200.000.

“Fiquei muito surpreso”, disse Najafi a Al Jazeera, dizendo que ele tinha dúvidas sobre atingir seu objetivo na hora – arrecadar dinheiro online é uma “coisa nova” entre a comunidade iraniana-americana, disse ele.

Mas sua alegria durou pouco…

No primeiro dia de seu esforço, Najafi recebeu uma mensagem do Facebook informando-lhe que os fundos “não serão divulgados”, até que o site de mídia social receba dele a autorização necessária do Departamento de Tesouraria dos Estados Unidos.

Na quinta-feira, para o desânimo de Najafi, o Facebook tirou sua página de angariação de fundos, dizendo que “os arrecadadores de recursos pessoais não são elegíveis para receber fundos para organizações sem fins lucrativos”.

FONTE

About Author

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!