Apocalipse ou Revelação, é o último dos livros da bíblia, atribuído a João. O próprio João  diz ter sido somente o escritor e que todas as revelações, foram feitas através de anjos, a mando do próprio Cristo. O primeiro vem em um cavalo branco, simbolizando um líder carismático, uma falsa inocência, uma paz disfarçada, cujo único objetivo é enganar, para conquistar o poder. Seu simbolismo é o do falso Cristo e das falsas crenças. O segundo vem em um cavalo amarelo e simboliza a peste e as doenças espalhadas pelo mundo, muitas delas causadas pelo próprio homem. O terceiro vem em um cavalo negro que simboliza a fome espalhada pelo mundo.

O mais recente relatório da FAO, do final de 2.017, mostra que a fome aumenta todo ano no mundo e atualmente já atingiu o limite catastrófico de 1 bilhão de pessoas que não tem o que comer no mundo, não devido à falta de alimentos mas sim devido a guerras, corrupção, pobreza extrema, políticas de preços de alimentos e assim por diante. Esse mesmo relatório mostra que, diariamente, morrem de fome cerca de 100 mil pessoas no mundo, sendo que 30 mil são crianças com menos de 5 anos. Isso sem contar os subnutridos e doentes devido à falta de alimentos, que continuam vivos milagrosamente. Continuando, o quarto anjo vem em um cavalo vermelho, simbolizando a destruição, a guerra e o sangue derramado nos campos de batalhas. Ele simboliza o conflito final, o Armagedom, que acabará com a soberba humana. O estopim dessa guerra bíblica monstruosa poderá ser em Jerusalém, hoje palco de disputas ferozes entre israelenses e palestinos. Se analisarmos bem todas essas informações proféticas, chegaremos à conclusão que esses cavaleiros já estão entre nós e talvez ainda seremos testemunhas desses fatos descritos no Apocalipse.

Os sinais são claros e só os cegos não enxergam e não conseguem unir os pontos desse momento histórico na saga humana. Nessa data limite, teremos a interferência divina ou extraterrestre, como prefiram, para salvar o planeta. Nós estamos sendo observados e se não houve uma interferência visível a todos, é porque a lei do livre arbítrio é respeitada fora da Terra. Intervenção somente em último caso, quando o planeta e a humanidade como um todo estiverem em perigo e despencando no abismo. Até lá, teremos sinais, mas não ações. No fundo do plano astral que envolve a Terra e seu núcleo, vive uma força astral degenerada, que é um subproduto de todo o mal acumulado no planeta desde sua origem. Essa força, embora faça parte da natureza humana, é a verdadeira inimiga da evolução. Ela é quem comanda os verdadeiros marionetes que estão no poder mundial, promovendo o ódio, o medo e todo o caos que ora vivemos. Com um pouco de bom senso e intuição, podemos perceber as forças que estão em jogo. Temos que acordar e perceber que já estamos nessa guerra e temos que decidir qual será o nosso lado. Novamente o livre arbítrio. Não se iludam pensando que isso é para um futuro remoto. Tudo está acelerando, verdades inimagináveis estão aparecendo, grandes mentiras e dogmas cairão da noite para o dia e o futuro já está à nossa porta. Do outro lado dessa porta, já se ouvem as batidas para que ela seja aberta. Se não soubermos abrir, os do outro lado a abrirão na hora certa.

Célio Pezza é escritor e colunista de diversos jornais e revistas no Brasil. Seus romances misturam ficção com realidade e trazem fortes mensagens por trás de cada história. Seu livro As Sete Portas foi traduzido para o inglês e editado no Canadá, EUA e Inglaterra. Sua mais recente obra, A Tumba do Apóstolo, foi lançada em 2014.