“Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia” já diria Shakespeare.

O fato é que relacionar Ressonância Schumann a acelaração do tempo ou a efeitos em nossa saúde é um assunto controverso. Por um lado temos, por exemplo, Leonardo Boff em apoio a essas ideias, e por outro a comunidade científica as combatendo, pois ainda seriam hipóteses não comprovadas cientificamente.

O físico alemão Winfried Otto Schumann constatou em 1952 que a Terra é cercada por um campo eletromagnético poderoso que se forma entre o solo e a parte inferior da ionosfera, cerca de 100km acima de nós. Esse campo possui uma ressonância (dai chamar-se ressonância Schumann), mais ou menos constante, da ordem de 7,83 pulsações por segundo.

Quem concorda
Reproduzo as palavras de Leonardo Boff:

Empiricamente fêz-se a constatação que não podemos ser saudáveis fora desta frequência biológica natural. Sempre que os astronautas, em razão das viagens espaciais, ficavam fora da ressonância Schumann, adoeciam. Mas submetidos à ação de um “simulador Schumann” recuperavam o equilíbrio e a saúde.

Por milhares de anos as batidas do coração da Terra tinham essa frequência de pulsações e a vida se desenrolava em relativo equilíbrio ecológico. Ocorre que a partir dos anos 80 e de forma mais acentuada a partir dos anos 90 a frequência passou de 7,83 para 11 e para 13 hertz por segundo.

O coração da Terra disparou. Coincidentemente desequilíbrios ecológicos se fizeram sentir: perturbações climáticas, maior atividade dos vulcões, crescimento de tensões e conflitos no mundo e aumento geral de comportamentos desviantes nas pessoas, entre outros. Devido a aceleração geral, a jornada de 24 horas, na verdade, é somente de 16 horas.

Portanto, a percepção de que tudo está passando rápido demais não é ilusória, mas teria base real neste transtorno da ressonância Schumann. [ Leia na íntegra em ‹ lboff › ]

Pela visão científica
No artigo Considerações sobre a Ressonância “Schumann” de 2004 para o Jornal Alavanca, Alexandre Fontes da Fonseca destaca:

Experimentos mostraram que a frequência fundamental da RS é aproximadamente igual a 7.8Hz, e as frequências harmônicas superiores são 14, 20, 26, 33, 39, 45 e 51Hz.

O artigo Schumann Resonances, a plausible biophysical mechanism for the human health effects of Solar/Geomagnetic apresenta um estudo interessante onde se propõe que a radiação eletromagnética devido à RS seja um mecanismo biofísico plausível (destacamos essa palavra) que resolveria o problema da correlação entre a atividade Solar e Geomagnética (distúrbios magnéticos de origem solar ou terrestre que afetam o campo magnético da Terra) com efeitos na saúde de algumas pessoas.

A proposta é de que a radiação eletromagnética de Schumann interagiria com o cérebro determinando ou coordenando os pulsos elétricos que controlam os níveis de serotonina e melatonina no organismo, duas substâncias reguladoras do ciclo diurno e noturno do ser humano com consequências em diversas funções vitais como a pressão sanguínea, respiração, sistema imunológico e os processos cardíacos e neurológicos, entre outros.

O que reforçaria a hipótese da interação entre o cérebro e a radiação eletromagnética na frequência da RS é o fato de que as ondas nervosas vibram em faixas de frequências semelhantes às da RS. A existência de dados que correlacionam as atividades solares e geomagnéticas a determinados distúrbios da saúde reforça a possível (ou plausível) idéia de interação entre a radiação na frequência da RS com o cérebro.

Destacamos a palavra plausível nos parágrafos anteriores para mostrar que essas idéias ainda são hipóteses não comprovadas cientificamente. Elas são interessantes e merecem a atenção dos cientistas. Mas não se pode dizer, ainda, que existe comprovação científica de que a RS influencia o equilíbrio da saúde do ser humano através da interação com as ondas cerebrais.

Como ajustar as frequências
Por isso, segundo o site Mind Power, especializado em vender áudios para harmonizar a mente, alguns acreditam que a ampla gama de frequências eletromagnéticas artificiais a que estamos cercados por todos os dias (incluindo electrodomésticos, wi-fi e telefones celulares), mascararia a freqüência natural benéfica da Terra.

Isso poderia nos levar a sentirmo-nos mais estressados, cansados e fora de equilíbrio. Assim, seria preciso um ‘ajuste’ na frequência correta para voltarmos a um estado de ressonância ou sintonia com a freqüência adequada para experimentar benefícios tais como: melhora na leitura e aprendizagem, rejuvenescimento, o equilíbrio e tolerância ao estresse.

O site também indica a existência de vários métodos para experimentar a Ressonância Schumann, ou a re-sintonização com ela:

Um dos melhores métodos é a utilização de estimulação auditiva que ajuda vibrações do cérebro a ficar alinhadas com os 7,83 Hz. A principal função do audio é ajudar a ajustar os ritmos das ondas cerebrais da pessoa a frequências específicas.

Durante este processo, o cérebro produz tipos mais desejáveis ​​de neuro-químicos e menos dos indesejáveis. Em outras palavras, você vai se sentir melhor com mais frequência.

FONTE

Designer de Moda, reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade e espiritualidade.