Um dos mitos mais conhecidos da humanidade é o da criação dos primeiros humanos e os episódios do Jardim do Éden. Por muitos anos, temos escutado que Adão e Eva foram nossos primeiros pais, viviam no Jardim do Éden, comeram uma maça da árvore proibida por Deus e através desse ato de desobediência, o mundo inteiro mergulhou em pecado. Bem, vejamos outro lado dessa história: No primeiro capítulo do Gênesis está escrito “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem; homem e mulher os criou”.  Já no segundo capítulo, versiculo 18, está escrito: “E disse o senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só: farei uma auxiliadora, que lhe seja idônea”.

Segundo o Zohar, livro sobre a cabala e conhecimento místico judaico, o Talmud, um dos livros da sabedoria hebraica e alguns evangelhos apócrifos, a primeira mulher, Lilith, é criada por Deus ao mesmo tempo que Adão e, juntos, viviam no Jardim do ‘Éden. Antigos textos babilônicos relatam que, com o tempo, Lilith se rebela por não se conformar em estar em uma condição inferior à Adão, já que ambos foram criados juntos. Ela não aceita ficar sempre por baixo do homem, até nas relações sexuais. Adão disse que ficaria sempre por cima, porque era superior. Lilith argumentou sobre a igualdade, considerando que ambos foram criados do  pó da terra, mas não foi ouvida.  Em busca da igualdade, ela se revolta e contesta o Criador, tendo que escolher entre permanecer no Éden e ser submissa a Adão, ou deixar o jardim. Ela decide por ir embora e parte para o Mar Vermelho, onde viviam os demônios. Deus manda três anjos para convencê-la a voltar mas ela prefere viver fora do Éden a ser submissa. Adão então pede à Deus uma outra mulher, para que não vivesse sem uma companheira, já que a primeira tinha ido embora. Deus mergulha Adão em um sono profundo e cria Eva, a partir de uma costela de Adão.

Em Gênesis 2:23 Adão diz: “Esta é agora osso de meus ossos e carne de minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi formada”.  Vemos claramente que houve uma primeira mulher, feita do mesmo barro de Adão, que foi Lilith e não Eva. Mais tarde, Lilith volta ao jardim, assume a forma de uma serpente, seduz Eva a comer do fruto proibido e esta convence Adão a também comer deste fruto. Deus questiona Adão, que diz ter sido induzido por Eva; esta diz ter sido enganada pela serpente e todos são expulsos do jardim. Eva é estereotipada como aquela que dá ouvidos ao demônio. Essa crença perseguiu as mulheres por muitos séculos. Durante a Inquisição, só o fato de ser mulher já dava motivos para uma acusação de pactos demoníacos, bruxarias e feitiçarias, com consequente morte nas fogueiras santas. Lilith, por sua vez, desde o início se recusou ser inferior e representa a mulher independente, insubmissa, intelectual, guerreira, sensual, orgulhosa, que preferiu deixar o paraíso a viver na submissão. Pagou por isso, sendo transformada em um demônio pelos textos machistas da época. Lilith pode ser considerada um exemplo de coragem do espírito feminino, ao desafiar Adão e o Criador. Lilith, como a primeira mulher de Adão, poderia ter sido a mãe de uma humanidade menos hipócrita, menos complexada, repleta de pecados e submissão.

Célio Pezza é escritor e colunista de diversos jornais e revistas no Brasil. Seus romances misturam ficção com realidade e trazem fortes mensagens por trás de cada história. Seu livro As Sete Portas foi traduzido para o inglês e editado no Canadá, EUA e Inglaterra. Sua mais recente obra, A Tumba do Apóstolo, foi lançada em 2014.