Há uma nova evidência da Passagem da Estrela de Scholz, que perturbou os cometas do sistema solar 70.000 anos atrás.

Uma pequena estrela avermelhada (com cerca de 9% da massa do Sol) aproximou-se do nosso sistema solar e a sua passagem perturbou cometas e asteróides.

Em uma época em que os humanos modernos estavam começando a deixar a África e os neandertais viviam em nosso planeta, a estrela de Scholz – em homenagem ao astrônomo alemão que a descobriu em 2015 – se aproximou a bem menos de um ano-luz de o Sol. Os detalhes desse sobrevoo estelar foram apresentados no The Astrophysical Journal Letters

A estrela de Scholtz é um sistema estelar binário pouco iluminado, atualmente localizado a quase 20 anos-luz de distância do Sol, na constelação do sul de Monoceros. No entanto, há 70 mil anos, ele entrou na nuvem de Oort, um reservatório de objetos transnetunianos localizados nos confins do sistema solar.

Agora, dois astrônomos da Universidade Complutense de Madri, os irmãos Carlos e Raúl de la Fuente Marcos, juntamente com o pesquisador Sverre J. Aarseth, da Universidade de Cambridge (Reino Unido), analisaram pela primeira vez os quase 340 objetos do sistema solar com órbitas hiperbólicas (em forma de V muito abertas, não a típico elíptica).

Eles detectaram que a trajetória de alguns deles é influenciada pela passagem da estrela de Scholz.

Carlos de la Fuente Marcos, que juntamente com os outros coautores publica os resultados no MNRAS Lettersjournal, explicou:

Utilizando simulações numéricas, calculamos os radiantes ou posições no céu, a partir das quais todos esses objetos hiperbólicos parecem vir. Em princípio, seria de se esperar que essas posições fossem distribuídas uniformemente no céu, particularmente se esses objetos viessem da nuvem de Oort; no entanto, o que encontramos é muito diferente: um acúmulo estatisticamente significativo de radiantes. A superdensidade acentuada aparece projetada na direção da constelação de Gêmeos, que se encaixa no encontro próximo com a estrela de Scholz.

O momento em que essa estrela passou perto de nós e sua posição durante a pré-história coincide com os dados da nova investigação, bem como nas de Mamajek e sua equipe.

“Pode ser uma coincidência, mas é improvável que a localização e o tempo sejam compatíveis”, diz De la Fuente Marcos.

Ele diz que suas simulações sugerem que a estrela de Scholz se aproximou ainda mais do que os 0,6 anos-luz apontados no estudo de 2015 como o limite inferior.

O voo próximo desta estrela, 70.000 anos atrás, não perturbou todos os objetos hiperbólicos do sistema solar, apenas aqueles que estavam mais próximos a ele naquele momento.

“Por exemplo, o radiante do famoso “asteroide” interestelar ‘Oumuamua está na constelação de Lyra (a Harpa), muito distante de Gêmeos, portanto não faz parte da superdensidade detectada”, diz De la Fuente Marcos. Ele está confiante de que novos estudos e observações confirmarão a ideia de que uma estrela passou perto de nós em um período relativamente recente.

(Fonte) via Ovni Hoje

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!