Após as fortes chuvas na manhã deste sábado (3), um tremor de terra foi registrado pela tarde em vários bairros de Maceió. Moradores entraram em desespero e esvaziaram prédios e casas. Asfaltos cederam e rachaduras surgiram na parade dos imóveis.

Oficialmente não há registro de feridos, mas moradores relataram ao G1que passaram mal com um susto.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o tremor foi sentido no Pinheiro, Serraria, Farol, Bebedouro, Jatiúca e Cruz das Almas.

Equipes da Defesa Civil Municipal e dos bombeiros foram até os locais registrar o fato e orientar a população sobre o que fazer.

A reportagem foi até o bairro do Pinheiro. Em um quarteirão do bairro parte do asfalto cedeu. Os moradores contaram que grandes buracos se formaram e o que estavam lá antes ficaram ainda maiores.

“A gente estava dentro de casa. Eu estava sentada e minha cadeira saiu do lugar. O prédio balançou. Uma senhora passou mal e foi levada ao hospital”, disse a moradora Ana Moura, de 52 anos, que mora com o esposo em um prédio.

O estudante Henrique Balbino mora em casa, mas tambémse asssutou. “Eu tava dormindo e a cama tremeu. Foi uma loucura”, contou.

Estragos

Antes do tremor, as chuvas já tinham causado grandes estragos na cidade. Ruas alagaram, asfaltos também cederam e uma cratera se formou na faixa litorânea. O trânsito precisou ser bloqueado por motivos de segurança.

Em um prédio localizado na Gruta de Loures a água invadiu a garagem e os carros que estavam lá ficaram submersos. [FONTE]

Defesa Civil nacional é acionada para investigar tremor de terra em Maceió

Prefeitura pede que população não entre em pânico. Fenômeno deixou rachaduras em prédios, buracos em asfaltos e muita gente assustada.

Prefeitura de Maceió informou na tarde deste sábado (3) que acionou a Defesa Civil nacional para investigar o tremor de terra sentido hoje na capital alagoana.

O fenômeno deixou moradores desesperados. Muitos abandonaram prédios e casas ao perceberem o fenômeno. Asfaltos cederam e rachaduras surgiram nas paredes dos imóveis.

O tremor de terra na capital alagoana foi sentido horas após ser registrado fortes chuvas que provocaram vários estragos na cidade.

Ajuda de especialistas

Já no final da tarde, a Defesa Civil de Maceió reuniu a imprensa para falar sobre o tremor e pedir à população que não entre em pânico.

O coordenador da Defesa Civil municipal, Dinário Lemos, explicou que estudos sobre esse tipo de fenômeno são feitos por pesquisadores de órgãos nacionais.

Assim, além da Defesa Civil Nacional, foram acionados estudiosos do LabSis (Laboratório Sismológico), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), da Universidade de São Paulo (USP), e da Universidade de Brasília (UnB).

“Quem compete para fazer isso é o governo federal e os professores estão sabendo dessa incomodação do maceioense. Os técnicos que estavam em casa já estão com computadores ligados, se falando. Tanto Rio Grande do Norte, quanto Brasília, como a USP, para verificar o tamanho disso aí e quais as providências serão feitas”, disse Dinário Lemos.

G1 entrou em contato com o geólogo Lucas Barros, da UnB. Pelas características da ocorrência, o pesquisador acredita que não foi um tremor de grandes proporções.

“Mesmo que os órgãos não tenham registrado alguma coisa, não significa que não tenha acontecido. Para essa quantidade de gente ter sentido, pode sim ter sido um tremor de terra. Mas tremor que causa fissuras no asfalto são de grande magnitude. Considerando essas características, eu posso pensar que os buracos no asfalto possam estar relacionados com asfaltos que estavam ali antes”, explicou o geólogo.

Previsão do tempo

Ainda segundo Dinário Lemos, a previsão é que a chuva continue no domingo (4) e há chances de que se estenda até a próxima terça-feira (13). “Vamos continuar monitorando, mas pedimos a população que não entre em pânico”, ressaltou. [FONTE]

Na Paraíba, Ressaca causa medo na população e turistas!

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!