Os artigos que trazem dados com o aumento do desinteresse dos jovens e daqueles não tão jovens assim pela rede social criada por Mark Zuckberg,  já são inúmeros e facilmente podemos encontra-los no Google, basta pesquisar um pouco e  podemos constatar como já são publicados em vários blogs sérios sobre TI. Fico me perguntando o que virá depois….

Um fato que me impressiona nas rede social Facebook é a constatação de que as relações de amizade tornaram-se efêmeras e voláteis, sob o nome de “amigos” adicionamos e somos adicionados por alguém com alguma afinidade, seja profissional, seja por algo que foi postado por nós ou pelo simples gesto de ter compartilhado algo que nos agradou ou com o que concordamos… Nunca o dito popular “quanto mais, melhor” encontrou nas redes sociais tanto valor.

O máximo dessa volatilidade esta em desfazer uma amizade na rede social, basta dar click e desfaz-se a amizade… houve um tempo que amizade estava vinculada  a um sentimento fraterno de amor  misto com uma cumplicidade e companheirismo, o que temos hoje no Facebook  não sei se podemos chamar de amizade se é que podemos chamar isso de amizade!

O que vejo quando acesso o Facebook é que a rede social se transformou em  uma grande vitrine onde se expõe a natureza egocêntrica e vaidosa de quem precisa mostrar sua ultima viagem, suas ultimas aquisições materiais, das ultimas peripécias gastronômicas realizadas na churrasqueira ou na cozinha desse ou daquele amigo…

Houve um tempo que tirávamos fotos e mostrávamos apenas para os amigos mais chegados, estivessem as fotos em formato digital no nosso notebook ou impressas em papel.. (será que existe isso ainda…). Atualmente o legal é compartilhar com pessoas que mal conhecemos deixando nossas vidas exposta para quem tiver interesse….há quem vai citar a que podemos controlar quem tem acesso ao conteúdo, ledo engano…

Outro dia ouvi uma gíria  nova: “Stalkeando” que segundo a definição encontrada no site www.significados.com.br:  “O verbo “stalkear” foi criado e disseminado através da internet, utilizado no sentido de perseguir ou espionar as atividades e comportamentos de outros…” ou no  comum dito popular ficar vasculhando a vida alheia no Facebook ou outra rede social…

Eu mesmo já cometi muito desses pecados e estou revendo uma série de posturas e comportamentos que me levam a escrever este texto, estou revertendo grande parte disso, como uma dessas resoluções de ano novo desativei meu Facebook…se vou voltar não sei dizer  e não tenho nenhuma vontade de faze-lo.

Para terminar no raciocínio que me leva a refletir sobre a real importância de uma rede social é que se pudesse dar um conselho para quem vier a ler esse texto: faça a reflexão também, qual a real importância das redes sociais na nossa vida?

 

Que que sejamos e tenhamos menos amigos virtuais, que façamos a diferença na vida das pessoas que nos importam, ligue, mande um recado no WhatsApp, sinal de fumaça, assim desta forma quando o Facebook acabar ainda sim sobrarão alguns amigos e não seremos mais  tão carentes de curtidas e pedindo compartilhamentos… viva a vida!

Texto de Eduardo Bueno de Camargo

Criador do Site Verdade Mundial, fotógrafo por amor e profissão. Um inquieto da sociedade! Acredito que podemos mudar o pensamento das massas com a informação. Temos as ferramentas e a vontade de ver um Mundo melhor e livre. Estamos nessa luta há dez anos e em frente!