Filhos da alma, irmãos do coração. Jesus seja conosco!
A nação está em uma verdadeira prova de discernimento e calmaria.
Honestamente, não nos causa temor os destinos administrativos que tiveram lances decisivos nos últimos 20 meses. Medidas essenciais foram tomadas no tabuleiro do xadrez político, visando o futuro.
Claro está que o jogo não encerrou. Nada está encerrado ou concluído. Grupos dominadores vivem de estratégias, e sempre arquitetam seus interesses com extensas e ameaçadoras variáveis. Ainda assim só temos motivos para acreditar na força da luz e na vitória do bem.
Entretanto, nesse momento, já quase na metade de 2018, nossa atenção está na onda mental de ódio que deteriora o comportamento e a honradez. Interesses feridos são gestores de egoísmo e loucura, vibrações e tumulto.

Não temos nenhuma preocupação adicional, nesse momento de escassez e reinvindicações justas*, que não seja a de acalmar o povo em suas necessidades, tormentas e dores.
Uma forte e densa energia de ódio multiplicou-se ante a eminência da escassez. Um povo que odeia é um campo fértil para promessas e controle. Uma ditadura emocional arrasou de vez com os ânimos de multidões, que já estavam abatidas e cansadas pelos lances dolorosos infindáveis da terrível onda de abusos históricos nos cenários das instituições.

A carnificina moral veio à luz e junto com ela as mais sórdidas reações de antagonismo e usurpação mental em todos os setores da sociedade brasileira. Provas necessária para apurar o senso de maturidade de uma nação
Não se trata apenas de política o que vem ocorrendo no torrão brasileiro. Nosso povo necessita mergulhar com sobriedade na agenda de prioridades educacionais, que o levarão a compreender que vivemos interligados pelos mais sagrados laços uns com os outros. Ninguém fere o outro sem travar seu próprio caminho.
Nosso desafio não é somente administrativo, repito. Temos um corpo social adoecido de egoísmo que apela para tratamento digno e educação orientada.
Mais que desafios organizacionais dos poderes, temos um desafio de ética e cidadania legítimos por meio da educação comportamental.

Enquanto a sociedade arregaçar as mangas e a cabeça para defender legendas falidas, representadas por homens falíveis e interesseiros, submersos na ganância e na frieza dos sentimentos, perceberá que os novos modelos de manipulação já não trabalham apenas com a informação, mas, sobretudo, com a emoção.
O momento reclama agentes ativos da esperança e de lucidez. É muito densa a treva emocional do ódio travestida de cidadania política. A melhor maneira de manipular um povo é fazê-los pensar que sabem tudo sobre a política de seu país. O momento não é de certezas e caminhos mágicos. Ninguém detém essa conquista no Brasil, capaz de o transformar da noite para o dia.

O momento é de relativizar, pensar com equilíbrio e escolher com espírito altruísta.
A hipnose coletiva é tão ampla que orar e pedir otimismo, para muitas pessoas, tornou-se um ato de covardia e conivência. Nunca o povo brasileiro teve tanto esclarecimento sobre a verdade, e nunca também o orgulho do saber tomou conta com tanta soberba do pensamento usando esse esclarecimento. Não mudaremos o país somente a poder de informação. Mudaremos com atitudes desenvolvidas, o que surgirá de uma profunda renovação emocional que permita sobriedade além de intelectualidade.
Espalhem uma pequena semente de bondade. Isso não significa omissão. Pais acalmem suas famílias. Professores abrandem as suas crianças. Comunicadores inspirem atitudes nobres.
Exagerada porcentagem de mentes se atolou no despenhadeiro da disseminação intelectual tendenciosa, de frágil argumentação política e de sombria carga de intenções separatistas.
Guardem o coração na certeza de que estamos atentos aos mais secretos planos daqueles que sonham com ascensão e poder. Não respondam com mais ódio ao ódio que eles guardam pela nação. São usurpadores, lobos em pele de ovelha.

O coração do Cristo tem derramado sobre o país o balsamo do seu amor, com o qual dissipam as mais tenebrosas armadilhas dos homens que enlouqueceram, sob tutela do orgulho e da vaidade.
Estamos em cada estrada, ao lado de cada grupo, nos bastidores da notícia, nos centros das bolsas e nos mais temerosas campos de poder e maldade. De olhos abertos e braços e armas ensarilhadas caso necessite de energia e firmeza, determinação e cassação de liberdade.
Nunca o mal esteve tão encurralado!

Vamos mostrar nossa lucidez, nosso poder de não servir ao interesse de grupos e, acima de tudo, nossa esperança de construir dias melhores.
Menos ódio, é mais solução. É mais sobra de energia para posturas inteligentes e atitudes de melhores resultados.

O melhor reacionário é aquele que não perde fibra da coragem e da honradez, é o campeão da lucidez.
Todos estamos sendo testados com profundidade em nossa capacidade de olhar com mais altruísmo para os laços que nos unem uns aos outros.
Que as hostes do bem encontre em seus corações o manancial de luz que o Brasil suplica de todos nós.
Jesus os apazigue nas mais doces vibrações do amor,

Bezerra de Menezes.
Mensagem psicografada por Wanderley Oliveira II na madrugada de 29/05/18, em Belo Horizonte

*Referindo-se à greve dos caminhoneiros que parou o país em fins de maio/2018

Dica da amiga Luciane Elis Vivian

Designer de Moda, reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade e espiritualidade.