Um enfático comunicado do Conselho de Segurança da ONU sobre o uso da força de Israel contra manifestantes na fronteira de Gaza foi bloqueado pelos Estados Unidos. Quase 60 pessoas foram mortas quando a nova embaixada dos EUA foi aberta em Jerusalém.

Segunda-feira foi o dia mais sangrento em seis semanas de protestos de palestinos na fronteira israelense, durante os quais dezenas de pessoas foram mortas e milhares de feridos por soldados israelenses.

As Forças de Defesa de Israel (IDF) usaram gás lacrimogêneo e armas contra os manifestantes, dizendo que o uso da força é justificado devido à ameaça que representam. Manifestantes palestinos queimaram pneus, jogaram pedras e lançaram pipas incendiárias durante o impasse.

“O Conselho de Segurança expressa sua indignação e tristeza pela morte de civis palestinos que exerceram seu direito ao protesto pacífico”, diz o documento, divulgado pelo Kuwait e citado pela Agência AFP e pelo jornal israelense Haaretz. “O Conselho de Segurança pede uma investigação independente e transparente sobre essas ações para garantir a prestação de contas”.

O rascunho do comunicado seria em resposta ao assassinato de mais de 50 manifestantes palestinos, incluindo sete jovens, que foram baleados por soldados israelenses no dia em que a embaixada dos EUA abriu suas portas em Jerusalém. Mais de 2.700 ativistas foram feridos em Gaza, informou o Ministério da Saúde da Palestina.

A continuação da repressão israelense contra os manifestantes provocou condenação mundial, mas Washington apressou-se a justificar a resposta de Israel, acusando o movimento militante palestino Hamas de alimentar os protestos.

“A responsabilidade por essas mortes trágicas depende diretamente do Hamas”, disse o porta-voz da Casa Branca, Raj Shah, a repórteres. “O Hamas está intencionalmente e cinicamente provocando essa resposta”.

A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém foi até condenada pelos aliados mais próximos de Washington. Israel assumiu o controle da parte oriental da cidade durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, mas a ocupação não foi reconhecida por nenhuma outra nação até a mudança de Trump.

O rascunho do comunicado a ONU incluiu críticas veladas à decisão, conclamando todas as nações a “não tomar quaisquer medidas que agravem ainda mais a situação, incluindo quaisquer medidas unilaterais e ilegais que minem as perspectivas de paz”.

Israel tem ‘balas suficientes para todos’, provoca aliado de Netanyahu após mortes de palestinos
Os EUA têm um longo histórico de usar seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para proteger Israel do escrutínio internacional.

“Desde pelo menos 1967, as Forças Armadas israelenses têm recebido uma luz verde de Washington para realizar uma série ininterrupta de ataques a populações civis na Palestina ocupada, bem como nas cidades de seus vizinhos árabes”, disse autor e crítico de longa data das políticas israelenses, Max Blumenthal, à RT.

“Isso não mudou em Trump. De fato, Trump e seu círculo interno deram a Israel toda a cobertura diplomática necessária para ‘cortar a grama’ até as raízes”, concluiu.

fonte

Designer de Moda, reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade e espiritualidade.