Durante muito tempo aplaudimos os líderes espirituais de todo o mundo e esquecemos de valorizar os iluminados que existiram e existem em todos os recantos do Brasil místico.

Uma das lendas mais conhecidas na cidade de São Thomé das Letras, no sul de Minas Gerais, é a que dá conta da existência de um velho curandeiro com poderes mágicos. Chico Taquara apareceu na cidade e conta a história que morava em uma gruta da cidade.

Muitas pessoas pensam que Chico Taquara, de São Thomé das Letras, foi apenas um místico lendário que imitava o profeta João Batista, pelo fato dele se alimentar apenas de mel, leite e plantas. Pelo contrário, Chico Taquara foi real, morava na Gruta do Carimbado, era parteiro, rezador e terapeuta holístico. Prestou um bom serviço social na povoação e receitava remédios da natureza para as pessoas doentes. Ele era “não dualista”, termo que em filosofia Vedanta significa não aceitar a divisão de Deus em pedaços. Cavalo, boi, pessoas, joaninhas, estrelas, vento, oceano – tudo é visto como Deus e sua manifestação. Não existe diferença entre Deus e sua manifestação, embora reconheça o universo como um sonho que vai se desfazer. Ele untava os longos cabelos com mel, talvez como algum processo terapêutico, e as abelhas pousavam em sua cabeça. Henrique José de Souza, da eubiose, chegou a mencioná-lo como um arquétipo da evolução e patrono espiritual de São Thomé das Letras.

Ficou muito conhecido pelas curas milagrosas que fazia. Relatos de antigos moradores que tiveram a oportunidade de conhecer esse enigmático homem, juram que o viram conversando com animais. Assim como São Francisco de Assis, Chico gostava e respeitava todos os animais, incapaz de maltratar uma só formiga, era comum vê-lo chamar os pássaros com palmas e ser atendido pelas aves que pousavam em seus ombros. Outros relatos afirmam que Chico Taquara possuía a habilidade de estar em dois lugares ao mesmo tempo, tal qual contam do ilustre Conde de São Germano.

O mais famoso relato a respeito do homem que vagava fazendo curas milagrosas e salvando animais é a de que certa vez, uma mulher doente sentia as dores do parto e por morar num lugar afastado, sem saber o que fazer pediu ao marido que lhe trouxesse Chico Taquara e que este a ajudaria. Ao encontrá-lo, contou-lhe sobre a esposa, sendo acalmado por Chico que pediu que o marido retornasse e ele logo sairia. Chegando em casa, o marido encontrou a esposa sorrindo junto a porta com o recém-nascido nos braços, esta lhe perguntou: -Você encontrou o Chico pelo caminho? Ele se foi há quase uma hora. O marido nada entendeu, pois tinha gastado mais de uma hora cavalgando para ir e voltar da casa do curandeiro.

Quando caminhava pelas pacatas ruas do então vilarejo, levava algumas reses com quem ia murmurando coisas incompreensíveis, ao chegar em algum estabelecimento abaixava e riscava um círculo no chão, onde durante todo o tempo em que permanecesse ali, nem se mexiam seus animais.

O lendário Chico Taquara teria nascido em 1840, e após completar 20 anos, foi morar na caverna conhecida como Gruta do Carimbado, desaparecendo misteriosamente da região em 1916, para nunca mais ser visto, nem jamais foi encontrado qualquer vestígio de seu paradeiro.

Algumas pessoas afirmam que Chico Taquara era um dos enviados de uma civilização intra-terrestre, cuja passagem, um dos portais dimensionais está localizado em um local de São Thomé das Letras. Ao cumprir sua missão com os seres humanos aqui na Terra, ele teria retornado ao convívio com seus semelhantes nas profundezas da terra.

fonte

Designer de Moda, reikiana, praticante e apaixonada por Yoga, Manoela desenvolveu um grande interesse na conexão espiritual entre o passado, presente e o futuro da humanidade, seus caminhos e mudanças ao longo dos séculos. Suas pesquisas para o Verdade Mundial vem sendo amplamente visualizadas nas áreas da sociedade e espiritualidade.