Por Camilo Caetano – 21/03/2016

Todos devem saber que a Vale foi privatizada em 1997 no governo FHC, mas poucos sabem que o governo indiretamente controla a empresa através de fundos de pensões e acordos com o Bradesco.

No dia 14 de Março de  2011, após enviar uma carta a Dilma alertando sobre a corrupção na cidade de Parauapebas, que era administrada por um prefeito petista, Agnelli, então diretor  da Vale,  havia sido demitido por influência de Dilma. A presidente usou as participações do governo nas ações da Vale e influenciou o Bradesco para votar contra Agnelli.

Imagem inline 2

O ex-executivo da Vale era um homem excelente nos negócios, havia colocado a Vale no terceiro lugar do ranking das maiores mineradoras do mundo e gerado mais de 100 mil empregos durante sua gestão. Angelli fez a Vale ultrapassar a Petrobrás em valor de mercado em 2010, algo inédito para o mercado, uma empresa que vende aço valer mais que uma petrolífera. Mas esse excesso de competência não agradou a presidente, que alegou que o executivo havia sido demito por conta dos cortes de gastos da Vale, decisão tomada pelo executivo para compensar a crise financeira (a carta de Agnelli denunciando a corrupção do PT foi só uma “coincidência”).

Em uma entrevista no Roda Viva em 2011, o ex-prefeito de São Paulo Kassab havia comentado que a demissão de Agnelli da Vale foi um erro grave do governo petista e o tempo iria dizer quem estava certo. E os anos se passaram e a Vale só perdeu valor em mercado desde então. Em 2015, sem Agnelli, a empresa assistiu a sua maior tragédia natural da história, quando uma das barragens da Samarco, subsidiária da Vale, rompeu e fez um enorme estrago na região de Mariana.

Agora, mais uma vez o nome do executivo aparece na mídia, e dessa vez foi para noticiar a infeliz notícia de sua morte.  Nesse sábado, dia 19, o executivo sofreu um acidente de avião na zona norte de São Paulo e faleceu. E misteriosamente a aeronave não tinha caixa-preta e, sendo assim, não será possível investigar precisamente as causas do acidente.

Muitos já dizem que a morte de Agnelli é um novo caso de  “Celso Daniel” por ele já ter denunciado escândalo de corrupção do PT no passado. Mas independentemente das coincidências que levam a essas teorias conspiratórias, a intervenção do estado na Vale foi um erro. E esse erro talvez não evitaria a morte do executivo,  que morreu por um acidente, mas no caso de Mariana, poderia ter sido diferente se Agnelli não tivesse sido demitido por Dilma.