A região onde o campo eletromagnético é mais fraco em toda a superfície terrestre, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul-AMAS ou SAA do inglês, South Atlantic Anomaly, está crescendo e se intensificando. Antes restrita ao sul da África, essa área atualmente cobre a maior parte da América do Sul e quase todo o Atlântico Sul e o BRASIL inteiro, sendo mais forte SOBRE SÃO PAULO…

Pesquisadores sabem há muito tempo que um dos cinturões de radiação de Van Allen mergulha para baixo em direção à Terra bem sobre a América do Sul, criando uma zona de alta radiação chamada “The South Atlantic Anomaly ” (SAA).

Desde a sua descoberta em 1958, o SAA (South Atlantic Anomaly) tem mudado de forma, ficando cada vez maior e se intensificando. Um mapa publicado na semana passada na revista científica da American Geophysical Union, Space Weather Quarterly descreve a anomalia com nova precisão, forma e tamanho:

 

Quando uma nave espacial em órbita baixa da Terra passa através dessa anomalia, “a radiação solar e cósmica provocam falhas na eletrônica das naves espaciais e satélites e pode induzir a leituras falsas pelos instrumentos”, explica Bob Schaefer da Johns Hopkins University Applied Physics Lab, principal autor do paper com a comunicação dos resultados. “Nós realmente usamos esses sinais espúrios para mapear o ambiente de radiação a uma altitude de 850 km.”

Especificamente, eles olharam para pulsos de ruído em um fotômetro ultravioleta transportado a bordo de muitos satélites orbitando a Terra do Programa de Satélites Meteorológicos para Defesa (Defense Meteorological Satellite Program-DMSP), que são satélites polares. Quando protons de alta energia que passam através da SAA e atinge esses sensores, produzem sinais espúrios – ou, no caso do presente estudo, os dados valiosos para análise. Ao monitorar a taxa de pulsos UV-Ultra Violeta espúrias, os pesquisadores foram capazes de rastrear os contornos da anomalia magnética e acompanhar a sua evolução ao longo de um período de anos.

Eles descobriram que a anomalia está lentamente à deriva norte e oeste com taxas de 0,16°/ano e 0,36 deg / ano, respectivamente. Atualmente, ela esta mais intensa sobre uma região ampla centrada em São Paulo, Brasil, incluindo grande parte do Paraguai, Uruguai e norte da Argentina. Eles também detectaram uma variação sazonal: Em média, a anomalia SAA é mais intensa em fevereiro e novamente em setembro-outubro. Neste enredo, contagens médias anuais foram subtraídos para revelar o pico de padrão duplo.

Uma máxima coincide com o EQUINÓCIO DE PRIMAVERA (SETEMBRO-Hemisfério Sul), mas não com o outro. Os autores não foram capazes de explicar a origem deste padrão inesperado.

As questões de atividades do ciclo solar, também interferem, na medida que os dados revelaram uma anti-correlação yin-yang com as manchas solares. “Durante os anos de alta atividade solar, a intensidade da radiação é menor, enquanto que durante anos solares mais tranquilos a intensidade da radiação é maior”, escreve Schaefer.

De acordo com o pensamento ortodoxo, a anomalia magnética do Atlântico Sul-SAA desce a partir do espaço para dentro da atmosfera terrestre cerca de 200 km da superfície da Terra. Abaixo dessa altitude, seus efeitos devem ser mitigados pela blindagem da atmosfera da Terra e do campo geomagnético.

Para testar essa ideia, a Spaceweather.com e Earth to Sky Calculus empreenderam um programa para mapear a anomalia SAA por baixo usando balões meteorológicos equipados com sensores de radiação. Na próxima semana vamos compartilhar os resultados do nosso primeiro voo a partir de um local de lançamento no Chile. Fique ligado!

FONTE