Em 24 estados dos EUA e duas províncias do Canadá relataram casos de caquexia crônica ( CWD ) em cervos selvagens, alces e alces, informou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças ( CDC ). Esta condição neurológica mortal é também conhecida como doença dos cervos ‘zumbis’.

De acordo com o The New York Post , esse distúrbio provoca uma forte perda de peso nos animais e os faz andar em padrões repetitivos, além de perder o medo dos seres humanos . Identificada pela primeira vez no final dos anos 1960 em um cervo no Colorado, a doença crônica debilitante foi se espalhando lentamente para outros lugares, e em janeiro de 2019 foi registrada em 251 municípios em 24 estados. CDC observa que também há casos registrados na Noruega, Finlândia e Coréia do Sul.

Embora a doença ainda não tenha sido relatada em seres humanos , alguns especialistas expressaram preocupação de que esta doença possa afetá-los. Assim, especialistas da Universidade de Minnesota argumentam que a CWD deve ser tratada como um problema de saúde pública. Michael Osterholm, especialista desta entidade, disse que “é provável que nos próximos anos sejam documentados casos de humanos com doença debilitante crônica, associados ao consumo de carne contaminada”. ” É possível que o número de casos humanos seja substancial e não eventos isolados “, acrescentou.

O especialista comparou a doença debilitante crônica com a encefalopatia espongiforme bovina (ou doença da vaca louca), observando que, por algum tempo, os especialistas não acreditavam que ela pudesse se espalhar para os seres humanos.

Acredita-se que a CWD é transmitida através de proteínas chamadas prions em fluidos corporais, como fezes, saliva, sangue ou urina, e que eles podem permanecer no ambiente por um longo tempo, informa o The New York Post . Não há vacina ou tratamento contra a doença, e seus sintomas podem levar até um ano para aparecer.

Um estudo canadense mostrou no ano passado que os macacos alimentados com carne infectada com CWD desenvolveram a doença. Fonte: RT