O esforço da NASA para colocar os humanos na Lua em 2024 pode obter um impulso financeiro no ano que vem.

Uma nova emenda orçamentária dá à NASA um adicional de US$ 1,6 bilhão no ano fiscal de 2020, além dos US$ 21 bilhões já destinados à agência espacial, anunciou esta semana o presidente Donald Trump (13 de maio).

Trump informou via Twitter:

Sob minha administração, estamos restaurando a @NASA à grandeza e estamos voltando para a Lua, depois para Marte. Estou atualizando meu orçamento para incluir mais US$ 1,6 bilhão para que possamos retornar ao espaço de uma FORMA GRANDIOSA!’ .

A alteração é uma proposta para agora. No entanto, a Nasa não receberá o dinheiro até que o Congresso, que tem o poder do dinheiro, assine oficialmente.

O extra de US$ 1,6 bilhão foi criado para ajudar a NASA a colocar os astronautas perto do pólo sul lunar em 2024, uma meta ambiciosa que o vice-presidente Mike Pence apresentou em março. (Antes do anúncio de Pence, a agência estava trabalhando para um pouso lunar com tripulação no final do ano 2020.) Essa missão pioneira ajudará a levar uma presença humana duradoura e sustentável à Lua, disseram autoridades da NASA.

Os fundos adicionais fariam uma grande diferença, mas mais infusões de dinheiro ainda são necessárias no futuro, disse o chefe da agência, Jim Bridenstine:

Esse investimento adicional, quero deixar claro, é um pagamento inicial do esforço da NASA para pousar humanos na Lua até 2024.

Nos próximos anos, precisaremos de fundos adicionais, mas isso é uma boa quantia que nos leva a sair de uma forma muito forte e nos coloca no caminho do sucesso no futuro.

Os futuros aumentos de caixa precisarão ser superiores a US$ 1,6 bilhão, acrescentou ele, comparando os requisitos de financiamento a uma curva de sino: as necessidades começarão baixas, subirão cada vez mais e depois voltarão para baixo novamente.

A quantia de US$ 1,6 bilhão não vêm de nenhum lugar dentro da NASA, disse Bridenstine, destacando que nenhum outro programa de agência teria que sofrer para tornar possível o aumento do financiamento.

A NASA ainda não está pronta para divulgar uma estimativa de custo total para o esforço de pouso na Lua, que Bridenstine disse que será chamada de Artemis. (Na mitologia grega, Artemis é a irmã gêmea de Apolo e a deusa da Lua.) Mas ele descartou rumores de que a agência está buscando US$ 8 bilhões por ano pelos próximos cinco anos.

“Não está nem perto disso”, disse Bridenstine.

O plano da NASA gira em parte em torno de uma pequena estação espacial orbital da Lua chamada Gateway, que servirá como um pivô para as saídas tripuladas e sem tripulação para a superfície lunar. Algumas dessas viagens serão feitas por espaçonaves construídas por empresas privadas; várias empresas, incluindo a Blue Origin, de Jeff Bezos, estão desenvolvendo plataformas que poderiam ajudar os esforços da NASA.

E esses esforços não terminarão na Lua. A NASA vê o vizinho mais próximo da Terra como um ponto de partida e um campo de provas onde a agência pode aprender o que precisa para levar as pessoas ao destino final – Marte.

(Fonte) via Ovni Hoje