O telescópio espacial Kepler, pouco antes de terminar atividade, descobriu duas estrelas conhecidas como HD 139139. Após alguns meses de análise, os astrônomos ficaram bastante intrigados com o seu comportamento. Segundo as informações, estas estrelas deixaram os astrônomos completamente perplexos.

Este tipo de comportamento indicia algo que, a ser comprovado, abre um novo mundo de descobertas.

Estrelas que poderão ser centro de 28 novos planetas

Conforme percebemos nas palavras dos astrônomos, estas podem ser as estrelas mais estranhas alguma vez vistas. Este par de astros está a cerca de 360 ​​anos-luz de distância. A observação do seu comportamento mostrou que a sua luz, por 28 vezes num espaço de 87 dias, diminuiu substancialmente. Estas medições normalmente indicam um sistema orbital de planetas. No entanto, os timings das quedas parecem ser totalmente aleatórios.

Os astrônomos estão completamente perplexos

As estrelas, coletivamente chamadas de HD 139139, foram vistas de forma estranha pelo telescópio espacial Kepler antes de ficar sem combustível e interromper as observações. O Kepler perseguia exoplanetas observando diminuições regulares na luz das estrelas, causadas por um planeta a passar entre a estrela e o telescópio na sua órbita. Estas passagens são chamadas de trânsitos.

Observamos estrelas com este tipo de precisão há cerca de dez anos, mas esta é a primeira vez que encontramos algo que parece um planeta em trânsito, mas não tem periodicidade aparente. Algo estranho está a acontecer.

Explicou Hugh Osborn, do Laboratório de Astrofísica de Marselha, França.

Se os trânsitos são causados ​​por planetas, os investigadores calcularam que teriam de existir muitos deles, muito mais do que qualquer outro sistema planetário que já vimos.

Eu poderia construir um sistema de planetas que explicaria estas quedas, mas seria realmente inventado. Simplesmente não parece correto.

Referiu Vanderburg.

Na verdade, embora não haja uma explicação, não foi avançada qualquer outra para o fenômeno.

Detritos de uma desintegração de um planeta poderá explicar?

Atualmente, os astrônomos equacionam alguns cenários. Por exemplo, uma explicação potencial era um planeta em desintegração ou um asteroide a espalhar poeira à medida que passavam na frente das estrelas. Pese o facto de bloquear alguma luz, a verdade é que depois dissipava-se. No entanto, um planeta em desintegração ainda produziria padrões durante os tempos de trânsito, os asteroides teriam que estar todos a propagar nuvens de poeira do mesmo tamanho e densidade, o que é improvável.

Entretanto, poderiam ser manchas solares e variações internas na luz da estrela. Uma hipótese que também não funciona. Isto porque elas teriam que aparecer e desaparecer em questão de horas. As manchas escuras que vimos no nosso próprio Sol duram de dias a meses, então isso exigiria um novo tipo de mancha solar.

Poderão ser extraterrestres?

Com todas as explicações simples descartadas, é tentador considerar que as variações de luz podem ser causadas por uma enorme estrutura alienígena que foi construída em torno das estrelas. Não podemos descartar isso definitivamente, mas tanto Osborn quanto Vanderburg consideram altamente improvável.

Na astronomia, temos uma longa história de não entender alguma coisa, pensar que é alienígena e, mais tarde, descobrir que é outra coisa. As chances são muito boas para voltar a acontecer.

Concluiu Vanderburg.

Seja como for, estas estrelas darão muitas outras pistas num futuro próximo.

FONTE dica da Aline Yazgan 👽