Este interessante caso de abdução ocorreu em 14 de dezembro de 1983, com o então corretor de imóveis Antônio Nelso Tasca. Na época, Nelso Tasca tinha 42 anos e dirigia seu carro Brasília em direção à Chapecó (SC), quando se sentiu atraído para uma estrada de terra, obedecendo a um comando estranho”, segundo descreveu. Parando a alguns metros do asfalto, Nelso Tasca se viu adiante algo que à primeira vista parecia ser um ônibus de uma viação local, pois possuía as suas cores características: branco esverdeado. Mas logo notou que não podia ser, pois o objeto não possuía rodas, tinha o formato circular, com cerca de 10 supostas janelas e, ainda, se encontrava flutuando a uma altura de um metro.

Imediatamente Nelso Tasca saiu do carro e tentou se aproximar do aparelho para poder observá-lo melhor, mas teve de recuar em função das ondas de calor que o UFO irradiava. Subitamente, ao retornar para o seu carro, saiu uma espécie de esteira luminosa, com cerca de um metro de largura, do objeto. Essa esteira acabou “pegando” Tasca pelos pés e o conduzindo até a nave. Neste momento Tasca perde seus sentidos. Quando acorda, ele estava deitado com os braços e as pernas grudadas ao corpo em um ambiente que era extremamente gelado e escuro. “Fui assaltado pela pavorosa idéia de que estava enterrado vivo”.

Tasca em 2006

Neste momento, Nelso Tasca teve a impressão que duas ou três criaturas começaram a tocar em suas pernas e encostar algum tipo de instrumento fino. Como era um ambiente escuro, foi impossível para Nelso Tasca observar exatamente o que estava acontecendo e como eram essas criaturas. No entanto reparou que eles se comunicavam emitindo sons que pareciam grunhidos de cães. Depois de alguns instantes, Nelso Tasca, ainda paralisado, foi erguido pelos seres e conduzido para um outro compartimento da nave onde a temperatura era menos baixa. As criaturas saíram e, logo em seguida, o ambiente ficou claro.

O interessante é que não havia uma lâmpada emitindo luz. Era como se todos os locais daquele compartimento emitissem a luminosidade que clareava o ambiente. Tudo estava iluminado uniformemente – nada fazia sombra. O local era uma pequena sala de mais ou menos 3 metros de comprimento, 2,5 metros de largura e 2 metros de altura. Suas paredes eram feitas de uma espécie de metal. E foi só nesse momento que Nelso Tasca percebeu que estava nu. Notou que suas roupas estavam jogadas no piso e, imediatamente, ele as pegou para se vestir.

Subitamente surgiu uma mulher de uma entrada da sala. Ela era de estatura baixa, quase que uma anã (Nelso Tasca calculou que ela tinha uma altura próxima à um metro e vinte). Esta criatura estava vestida de uma saia e sapatilhas da cor anil. “Ela fixou-me o olhar com tal intensidade que tive a impressão de estar sendo invadido e devassado até às mais íntimas reentrâncias da alma”. Através de uma suposta comunicação telepática, Nelso Tasca obteve algumas respostas sobre o que estava acontecendo. A alienígena informou se chamar Cabalá e que eram do mundo chamado de Agali. “Tenha calma, sou de paz e amor”. Cabalá informou que estavam a 180 metros abaixo do nível do mar.

Naquele momento, uma música que tinha um timbre diferente de qualquer coisa começou a ser ouvida por Nelso Tasca. Ele a comparou a algo meio semelhante a violinos. De forma misteriosa, surgiu um painel cheio de botões, de onde Cabalá retirou dois frascos de líquidos que Nelso Tasca teve que beber. Logo em seguida, a alienígena ergueu o vestido e ficou nua numa espécie de divã que Nelso Tasca não sabe de onde surgiu. Tomado por intensos desejos sexuais, Nelso Tasca manteve relações sexuais com Cabalá. É importante ressaltar que Nelso Tasca não acredita que a extraterrestre tenha tido qualquer real prazer no ato sexual.

Após consumado a relação sexual, Cabalá transmitiu para Nelso Tasca uma mensagem e pediu para que ele divulgue para todas as pessoas do mundo. Cabalá também informou para Nelso Tasca que nasceriam dois filhos daquela união e que eles receberiam o nome de Mada e Madana. Logo em seguida, Cabalá se retirou da sala deixando Nelso Tasca sozinho.

O local ficou novamente escuro e Nelso Tasca pôde sentir que, pelo menos, três criaturas estariam lhe cutucando com algum tipo de aparelho fino. Segundo seus depoimentos, depois ele acordou deitado na grama próximo da BR 282 – cerca de cinco quilômetros de distância do local onde havia começado a sua experiência. Um detalhe bastante interessante neste caso é que há uma evidência física da abdução. Nas costas de Nelso Tasca apareceu um ferimento em forma de W que parece ter sido feito com um ferro em brasa. Porém Nelso Tasca jamais sentiu qualquer tipo de dor decorrente dele, mesmo que fosse apertado. Na época Nelso Tasca foi examinado por três médicos e ambos não conseguiram determinar o agente físico causador do ferimento. Apesar do tempo que passou desde que viveu essa experiência insólita, a marca permanece em suas costas até hoje. É claro que não tão saliente como na época em que ocorreu sua abdução.

Cabalá: Carta a Humanidade recebida por um Abduzido

Na madrugada do dia 30 de janeiro, a Comunidade Ufológica Brasileira se compadece da perde de um dos maiores ícones da Ufologia. Após sofrer um acidente automobilístico no dia 08 de agosto de 2007, Antônio Nelso Tasca esteve internado em coma durante quase seis meses no CTI do Hospital São Vicente de Paula, em Passo Fundo (RS).

Tasca foi um grande homem, que lutou contra a ignorância de seus semelhantes com paciência e perseverança, e entre suas muitas ações para isso, não se furtou em momento algum de dar todos os detalhes sobre sua espantosa experiência com seres do planeta Agali, com os quais teve contato. Sua morte deixa uma grande lacuna na Ufologia Brasileira, mas seu legado jamais será esquecido.