5G, o mais recente sistema de comunicação sem fio que permite downloads mais rápidos e mais dados pelas bandas de 28, 37 e 39 GHz, também conhecido como espectro de onda milimétrica (mmW), irá enganchar cada coisa material única do planeta, o que inclui os próprios seres humanos, em uma vasta rede planetária chamada Internet das Coisas ou IoT (Internet of Things), onde tudo e todos se tornam nós na rede, conectados por microchips nano-size que podem ser inalados como poeira inteligente (isso mesmo, do pó ao pó).

A população, é claro, em seu desejo a todo o custo por modernidade, conveniência e velocidade, tolamente embevecida pela mídia, não se dá conta dos riscos à sua privacidade, segurança e saúde. 5G não é apenas um update, a atualização da infra-estrutura sem fio, mas um salto gigantesco e definitivo em direção a uma grade de controle tecnológico total, a cobertura da Terra inteira – incluindo as áreas rurais – com um manto eletromagnético 5G, de modo que nada nem ninguém poderá escapar de seus efeitos nocivos. Como todas as partes da Terra serão cobertas, haverá saturação de radiação urbana e rural com efeitos danosos e irreversíveis para a saúde. O objetivo final, no entanto, vai muito mais além: é perscrutar o que você está pensando e sentindo e depois alterar o que você está pensando e sentindo para controlar suas ações. Em outras palavras, controle mental total, a regulação de nosso estado de consciência, o busílis da Nova Ordem Mundial.

Por Cláudio Tsuyoshi Suenaga

5G, a quinta geração de internet móvel ou de sistema sem fio, desenvolvida desde outubro de 2012, quando o governo britânico estabeleceu um consórcio com operadoras móveis internacionais – incluindo Huawei, Samsung, Telefonica Europa, Fujitsu Laboratories Europa, Resohde & Schwarz e Aircom Internacional -, acaba de entrar em operação na China e nos Estados Unidos e em breve deverá ser implantada em todas as partes do mundo, a despeito de centenas de cientistas de mais de 35 países desde 2017 recomendarem proibi-la antes que um estudo independente acerca das consequências para a saúde humana dos indivíduos expostos a essa nova tecnologia fosse realizado.

William Ross Adey

Bem antes disso, já nos anos 60 e 70, o professor de anatomia e psicologia William Ross Adey (1922-2004), do Brain Research Center da University of Southern California e da Loma Linda University Medical School, Califórnia, demonstrou que a radiação não-iônica, a mesma das antenas 5G, foi capaz de alterar o comportamento de pessoas e animais. Uma frequência de 10 Hz pode deixar alguém em estado de estupor, podendo até mesmo induzir as pessoas ao sono de acordo com a frequência das ondas. Foram registradas ainda mudanças na capacidade de memória, alterações metabólicas, mudanças no funcionamento das glândulas e alterações na libido.

Adey trabalhou no infame Projeto Pandora da CIA e pesquisou a indução de modificações comportamentais por meio de ondas eletromagnéticas. Colocando um voluntário em um campo eletromagnético, Adey descobriu que algumas ondas de rádio específicas podiam interferir nas ondas cerebrais do indivíduo. Esta resposta ocorreu apenas quando a modulação das micro-ondas de ELF (Extremely Low Frequency) tinha uma onda portadora modulada em amplitude 6-20 hertz (Hz). A máxima estimulação dos neurônios ocorreu a 16 Hz, mas para ambos os lados desta faixa de frequência não havia efeito.

Portanto, em teoria, um sinal de ELF pode ser adicionado à rede de micro-ondas para estimular um padrão comportamental preciso para cada usuário de telefone celular. Quando nenhum sinal é transmitido, o telefone celular faz com que os neurônios liberem íons de cálcio, o que torna o usuário cansado e irritadiço e mais propenso a explosões de raiva. As células são delimitadas por uma membrana protetora que se comunica com o mundo exterior por meio de filamentos de proteínas carregadas eletricamente que pulam para fora de sua superfície. Estas levam os sinais para o interior da célula, onde regulam o crescimento e o desenvolvimento e a divisão celular.

Em 2015, mais de 230 cientistas de 41 países já tinham expressado celeuma acerca das consequências nocivas para a saúde devido a exposição a ondas eletromagnéticas a partir dos dispositivos wireless e eletrônicos.O neurocientista norte-americano Allan H. Frey (1935-), conhecido por sua pesquisa sobre o efeito auditivo das micro-ondas, também chamado de “Efeito Frey”, trabalhou no Centro de Eletrônica Avançada da General Electric na Universidade de Cornell. Em 1975, após publicar um estudo demonstrando que as micro-ondas “com certas modulações” podem causar vazamentos letais na barreira hematoencefálica, foi silenciado pelo governo dos Estados Unidos. Frey descobriu que podia induzir sonhos à distância nos indivíduos submetendo-os a ondas eletromagnéticas. Descobriu também que podia produzir sons diretamente no interior da mente de um indivíduo.

Outros estudos científicos têm demonstrado que a exposição à radiação de microondas causa efeitos negativos nos vasos sanguíneos, estômago e músculos. Distúrbios do sono e cansaço se tornam comuns, bem como falta de apetite, baixa auto-estima, sentimento de desesperança, distúrbio crônico de humor (distimia, que afeta dois milhões de brasileiros e é considerado comum), exaustão geral e cansaço diurno. Seria coincidência que tais distúrbios venha aumentando exponencialmente a cada dia em paralelo ao crescimento exponencial das torres de celulares, 3G, 4G e agora 5G? A relação parece incontestável. O agravante é que a exposição à radiação de microondas causa efeitos irreversíveis, mesmo que a pessoa pare de ser exposta a elas. Haveria ainda chances maiores de desenvolver câncer, doenças cardíacas, diabetes, Mal de Alzheimer e até doenças mentais. A indústria farmacêutica, que lucra cada vez mais, agradece.

Com o 5G, implementa-se o maior e mais invasivo procedimento biológico da história da humanidade, um dos principais pontos que a alta elite Illuminati esperava cumprir. E o gado humano, como sempre, irá simplesmente agradecer pela pequena porção de felicidade que lhe será proporcionada antes de ser abatido. Que Deus tenha piedade de todos nós.

Dica do Leitor lauro henchen | FONTE