Espalhados pelo mundo, os coalas (Phascolarctos cinereus) são famosos por diversos motivos: parecem uma bolinha, têm grandes orelhas peludas e uma dieta alimentar atípica, composta unicamente de folhas de eucalipto.

Ellenborough Lewis, o coala que virou símbolo do resgate dramático de animais dos incêndios florestais australianos precisou ser sacrificado por conta da gravidade de seus ferimentos.

“Hoje anunciamos que tomamos a decisão de colocar Ellenborough “para dormir”. Ferimentos de queimadura podem piorar antes de melhorar. Nesse caso, pioraram, e infelizmente não iriam melhorar”, escreveu o Hospital Port Macquarie Koala em um post em sua página no Facebook (veja abaixo). O coala sofreu queimaduras nas mãos, pés, braços e pernas.

Ele havia sido encontrado tentando fugir das chamas na costa leste do país. A heroína foi Toni Doherty, uma australiana que o viu de seu carro. Imagens que viralizaram mostram a mulher usando a própria blusa para tirar o animal da zona de incêndio, depois derramando água sobre os pés dele para acalmar as queimaduras.

Foi assustador vê-lo sair das chamas”, disse Doherty à agência de notícias australiana Today. “O pobre coala, ele estava chorando e gritando, porque estava sendo queimado. Ele estava queimando por baixo, nas suas pequenas patas traseiras … eu nunca ouvi um coala antes. Eu não sabia que eles podiam gritar. foi tão emocionante. ”

Doherty nomeou o coala Lewis em homenagem a um de seus netos e mais tarde se reuniu com ele no Hospital Port Macquarie Koala, no estado de New South Wales, leste da Austrália.

Animais silvestres são vítimas dos incêndios florestais que vêm atingindo o leste da Austrália nas últimas semanas. Muitos não têm para onde fugir e acabam resgatados por moradores locais.

Solidariedade
Recentemente, a atitude de um casal para resgatar coalas dos incêndios também causou comoção. Cestos de plásticos forrados com lençóis e toalhas viraram berços improvisados para 26 coalas que correram em busca de refúgio até a casa de um casal australiano. Paul e Christeen McLeod resolveram transformar a casa em um abrigo de emergência para os adoráveis ​​animais peludos que ficaram sem teto pelos incêndios que devastam Nova Gales do Sul. O governo do país estima que cerca de 350 espécimes morreram na tragédia ambiental.

Os dois, que moram dentro da reserva, em Taree, desde 1993, fundaram no local um serviço de resgate de coalas doentes e feridos, principalmente por conta de incêndios, que são comuns todos os anos na região. Eles tentam desesperadamente salvar o maior número possível de animais. Por toda a casa é possível ver os animais em recuperação, muitos com sérias queimaduras, principalmente nas patas, focinho e orelhas.

FONTE