Desinformação: uma analogia da velha arma da KGB nos dias atuais

O que estamos presenciando no cenário atual, que ficou muito nítido com a pandemia (ou FRAUDEmia) é uma quantidade enorme de informações errôneas, manipuladas com princípios estabelecidos; desinformação.

A desinformação é uma arma efetiva para controle das massas. Era ela, a “dezinformatsiya”, a arma secreta utilizada pela KGB, serviço secreto soviético nos tempos de guerra, ao qual consiste em alterar registros e reescrever a história, ou seja, manipulação dos fatos. Foi a ferramenta mais eficiente usada pelo Kremlin em sua guerra contra o ocidente.

Um exemplo claro disso é o “Protocolo dos Sábios de Sião”, uma criação soviética para plantar a semente do antissemitismo no mundo. A “glasnost” é outro exemplo perfeito do uso da “dezinformatsiya”. Conforme toda mídia, a glasnost tratava-se de um esforço iniciado por Mikhail Gorbachev para levar a União Soviética em direção à democracia, o que lhe rendeu até o prêmio Nobel da Paz. Contudo, na realidade, se tratava de um velho termo russo para o ato de polir a imagem do governante; uma forma de autopromoção, publicidade usada desde o século XVI por Ivan, o terrível.

Nos dias de hoje, nada mudou, em todos os cenários. Com a pandemia do Corona vírus ficou explícito o poder que a desinformação aliada ao medo tem de manipular a mente das massas. Bastou o governo dizer “Fique em casa!” para grande parte da população seguir este “conselho” sem titubear, e ainda se voltar contra quem discordou pensando nos impactos econômicos e sua ampla rede de vertentes. Obrigaram o uso da mascara, sem nem se quer ter um estudo que comprovasse sua eficácia; e o que as pessoas fizeram? Começaram a colecionar mascaras e trucidar quem não faz o uso. A cada dia surgem novas informações, mas de fato, ninguém sabe o que é verdade, ainda mais com grandes instituições como a OMS, que já caíram várias vezes em contradições e tem lá suas ideologias políticas.

Enquanto os governos fazem alarme e a mídia faz sensacionalismo sobre um número inflado de mortes, outros relatórios apontam que dessa grande catástrofe, as mortes ocorridas unicamente pelo vírus em si, sem outros fatores, é muito menor; 6% conforme o CDC (Centers For Disease Control and Prevention).

Somando tudo, há um único resultado: Desinformação. Números alterados, registros modificados, falsificações de dados, contradições científicas e por aí vai…

Desinformação, essa mesma que em um passado pouco remoto fez uma grande parcela da população acreditar que o comunismo era igualdade, que o Papa Pio XII era um nazista, que os judeus eram uma raça impura. Mudam-se os personagens, mas o enredo é o mesmo.

Se analisarmos a situação de outra perspectiva, veremos que o que a pandemia mais trouxe foi à perda da liberdade. Dia após dia, nossa liberdade vai sendo solapada. A começar pelo direito de ir e vir, uma garantia fundamental da constituição. Decretos municipais, atrás de decretos estaduais, atrás de imposições feitas pela ditadura da toga (STF) tirando pelas pontas o livre-arbítrio, que de fato, quase não existe. Parece nitidamente que estamos caminhando para uma distopia como descrita no livro 1984, por George Orwell, onde na mesma, a desinformação também era uma ferramenta primordial para manter o controle das massas. Onde o passado era alterado sempre que necessário para atender as necessidades do “Grande Irmão”; o governo. Pessoas indesejadas eram removidas da sociedade e seus registros eram apagados. Mera ficção? Pois bem, durante o regime de Stálin, isso foi uma realidade. Pessoas eram mortas, removidas de fotografias e apagadas dos registros.

Logo chegarão as vacinas, e sabe-se lá quais seus componentes e seus verdadeiros objetivos. Evidências de seus propósitos ocultos não faltam.  O fim do dinheiro físico, onde os tramites legais já estão correndo. O sistema de rastreamento de pessoas já está acoplado conjuntamente em ambos os itens anteriores. O fim das coisas como vemos; o Grande Reset tão aclamado por instituições como o Banco Mundial e o Fórum Econômico Mundial.

Desinformação, medo e controle, elementos que preenchem a equação da Causa, efeito e solução.

Como dizia Yuri Andropov, chefe da KGB: “Desinformatsiya é como cocaína. Se você cheirar uma ou duas vezes, não muda a sua vida. Se, contudo, você cheirar todo dia, fará de você um viciado”.

Uma bela analogia para estes tempos, onde as pessoas levam o que a mídia notícia ao pé da letra, e o pensamento crítico foi deixado de lado. Esse mesmo pensamento crítico que era considerado crime gravíssimo na distopia de Orwell.

Esta mesma mídia que recebe dinheiro do governo e possui sua propriedade majoritária pertencente à elite que comanda o mundo. Já dizia Joseph Goebbels, ministro da propaganda da Alemanha nazista; “Dê-me o controle da mídia e farei de qualquer país um rebanho de porcos”.

Escrito por Angela Rizzi, em Setembro de 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: