Moradores do Litoral Norte buscam respostas para luzes desconhecidas no céu e símbolos encontrados na praia

Duas esferas coloridas, variando entre o dourado e o laranja, de tamanho indefinido, foram avistadas percorrendo o céu do Litoral Norte próximo à beira-mar, entre Magistério Torres, por volta das 19h30min da terça-feira passada (23). Antes de desaparecerem, elas teriam causado uma espécie de explosão sem som, chegando a iluminar as poucas nuvens existentes naquele momento. Tudo não passou de segundos, mas a imagem ficou guardada na mente de quem presenciou a cena.

Em Magistério, o torneiro mecânico Silvio Scienza, 51 anos, mora a duas quadras da praia e costuma sair à noite para observar o céu quando não há nuvens. Neste dia, ainda na porta de casa, testemunhou a movimentação diferente na direção da praia. Espantado por ver as duas esferas, chamou a filha Ketlen, de oito anos. Não houve tempo para ela observar. Bem mais à frente, as luzes explodiram, ficando apenas o clarão.

— Elas se movimentaram na direção Sul-Norte, em baixa altitude. Eu não tinha um celular para filmar. Não era avião, nem estrela cadente. Foi rápido e incrível! Iluminou tudo na volta, até as nuvens ralinhas. Depois, desapareceram — relata Scienza.

A 17 km de Magistério, no mesmo horário, a cabeleireira Mana Bosquetti, 40 anos, e o namorado estavam na areia da praia de Salinas quando foram surpreendidos pela mesma imagem avistada por Scienza. O céu estava praticamente limpo e a noite sem vento naquele momento. Mana acrescenta apenas mais um detalhe: como era a beira da praia, viu com mais nitidez quando as duas esferas se dividiram, se tornaram quatro, criando uma luz tão intensa que pareceu uma explosão, antes de sumirem no céu.

— Quando vi, mostrei para o meu namorado. Inicialmente, achamos que era drone. Estavam sobre o mar e não eram muito grandes, enquanto se moviam. O clarão foi bem forte. Logo depois, apareceu outra luz parecida, mas ela veio do mar em direção à Lagoa da Fortaleza — conta Mana, que agora já pensa em não ir mais à noite na beira da praia.

Na página Cidreira RS, coordenada por Jean Paul Cunha, um post sobre o assunto tem mais de 1 mil comentários, a maioria de pessoas que teriam visto a mesma cena de diferentes pontos do Litoral Norte, e mais de mil compartilhamentos desde a publicação, ocorrida no dia seguinte ao evento.

Naquele horário citado por quem afirma ter avistado as esferas luminosas, o doutor em Engenharia Carlos Jung, do Observatório Heller & Jung, associado à Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon, na sigla em inglês), afirma não ter qualquer registro de movimentação na área do Litoral Norte. Por este motivo, não seria um meteoro, por exemplo. O observatório tem um software de registro de análise de meteoros, que cobre em 360 graus todo o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, parte de São Paulo, Uruguai, parte da Argentina e Paraguai.

— Se tivesse um objeto do tamanho de um jato naquela direção, eu teria registrado. Só se fosse um objeto voador não-identificado (ovni) mesmo. Como temos uma evidência forte, devido ao vídeo divulgado pelo Pentágono, não dá para dizer que não pode ter sido algo que nós não conhecemos. Mas se eu tivesse registrado algo, seria o primeiro a divulgar — afirma Jung.

Para o ufólogo e editor da revista UFO, Ademar José Gevaerd, os relatos dos moradores do Litoral Norte indicam ter se tratado de um fenômeno ufológico. Gevaerd diz que a região do litoral gaúcho até Araranguá, em Santa Catarina, é uma área de grande intensidade de avistamento de ovnis.

— Tudo indica que seja, pelo horário, por ter sido sobre o Litoral e com o tempo bom. Mas não há o que temer. Estes fenômenos são inofensivos. Deve haver formas de vida mais avançadas no universo e porque não estariam explorando outros planetas, como nós faremos quando tivermos tecnologia para isso — justifica Gevaerd.

Já o engenheiro químico e fundador do Movimento Gaúcho de Ufologia, Carlos Odone, revela receber muitos relatos de avistamentos na região de Cidreira. Inclusive, ocorridos nesta semana. Por conta da pandemia de coronavírus, ele não conseguiu se deslocar até a cidade para ver in loco as áreas de avistamento. Ele pretende percorrer a região em breve.

O Litoral Norte gaúcho é conhecido por especialistas em ufologia (estudos relacionados a óvnis) do mundo inteiro porque teria uma passagem para outra dimensão entre o mar e a Lagoa da Fortaleza, próximo à praia das Cabras, no limite de Cidreira e Tramandaí.

Entre os relatos de fatos incomuns na região nas últimas décadas, estão luzes movimentando-se no céu em alta velocidade e desaparecendo misteriosamente, pratos giratórios gigantes sugando areia das dunas no entorno da Fortaleza, carros que pararam de funcionar por alguns minutos na RS-786, por onde passaria este portal e até a abdução (suposto sequestro ou rapto de um ser humano por extraterrestres) de pelo menos um morador.

Em 2018, o canal de televisão History Channel fez, inclusive, um episódio inteiro sobre o portal dimensional para a série brasileira De Carona com os Óvnis, que descreve os fenômenos ufológicos no Brasil.

No dia seguinte à suposta aparição no céu do Litoral gaúcho, em 24 de junho, data conhecida por ser o dia mundial do disco voador, a areia da praia de Tramandaí surpreendeu o pintor Luis Ricardo da Silveira, 47 anos, enquanto ele fazia a caminhada matinal. Sem marcas de pés ao redor, lado a lado, círculos perfeitos estavam desenhados no chão, numa área em direção à barra entre Tramandaí-Imbé. Um deles, o maior, tinha outros 16 ao seu redor. Silveira fez a foto e compartilhou com um amigo, cuja filha, a estudante Lanna Briance, 23 anos, havia fotografado imagem semelhante uma semana antes, no mesmo local.

— É como se tivessem largado uma cuia de chimarrão em cima da areia, formando um círculo perfeito. No nosso caso, era mais de um círculo e eles eram simétricos e alinhados, numa distância igualmente perfeita. Não sei mesmo se foi alguém que fez — comenta Lanna.

O ufólogo Ademar José Gevaerd analisou as imagens e descartou a possibilidade de ter algum vínculo com Ufos.

— Isso não é nada. É uma obra de arte — resumiu, de forma enfática.

FONTE: gauchazh

Portal para outra dimensão entre Cidreira e Tramandaí

Carros que pararam de funcionar no local, luzes movimentando-se no céu e óvnis pairando sobre lagoa são alguns dos episódios que teriam sido presenciados por moradores da região

Uma passagem para outra dimensão pode estar encravada entre o mar e a Lagoa da Fortaleza, próximo à praia das Cabras, no limite entre Cidreira e Tramandaí, no Litoral Norte. Há quem afirme ter avistado objetos voadores não identificados (óvnis) pairando sobre a lagoa. Entre os relatos de fatos incomuns na região nas últimas décadas, estão carros que pararam de funcionar por alguns minutos na RS-786, por onde passaria este portal, luzes movimentando-se no céu em alta velocidade e desaparecendo misteriosamente, pratos giratórios gigantes sugando areia das dunas no entorno da Fortaleza e até a abdução (suposto sequestro ou rapto de um ser humano por extraterrestres) de pelo menos um morador.

Especialistas em ufologia (estudos relacionados a óvnis) costumam visitar a área. No ano passado, o canal de televisão History Channel fez, inclusive, um episódio inteiro sobre o portal dimensional para a série brasileira De Carona com os Óvnis, que descreve os fenômenos ufológicos no Brasil.

Osmar Inácio da Silva, 85 anos, que é ufólogo e radioastrônomo (pessoa que estuda fenômenos extraterrestres mediante a análise das ondas eletromagnéticas na frequência de rádio), foi chamado por moradores para pesquisar a veracidade das histórias da região. Em Cidreira, ele conheceu o pescador e comerciante Jorge Guglieri, 76 anos, um dos únicos a falar abertamente sobre as ocorrências. Em três encontros, ocorridos em 2009, Silva entrevistou Guglieri, os familiares dele e outros pescadores, visitou a lagoa e recolheu amostras, como um pedaço de uma pedra de liga metálica encontrada no fundo da Fortaleza. O ufólogo, porém, jamais concluiu a pesquisa devido à falta de verbas para aprofundar alguns estudos.

Em Tramandaí e Imbé, ele também ouviu outros dois relatos de pessoas que garantem terem sido abduzidas por seres extraterrenos e voltado à Terra depois de horas ou dias. Silva ainda conheceu moradores que afirmam ter visto no céu luzes não identificadas. A partir do material recolhido, o ufólogo aponta para a possibilidade de existir um portal dimensional na área indicada pelos pescadores.

— Há um fundo de verdade no que eles relatam, pois usam terminologias próprias da ufologia que leigos não inventariam. Todos os relatos que recolhi apontam para a vinda de naves, sempre do mar para a terra, do mesmo ponto, descendo na mesma região. Isso, por definição, é um portal — afirma, mesmo sem jamais ter sido testemunha ocular de algum na região.

Guglieri, chamado de contador de histórias e até de louco por alguns moradores, ri da própria situação, mas segue sustentando a ideia de que a área do Litoral Norte foi escolhida por seres de outros planetas. Desde os oito anos de idade, quando ainda morava em Canoas, ele vê objetos voadores não identificados. Na primeira vez, avistou dois homens de pequena estatura saindo de uma nave na frente da casa da família, durante a noite. Foi o tempo de ele gritar pedindo socorro para a mãe e a avó, antes dos seres sumirem. No dia seguinte, ele desenhou o que viu. O desenho só se perdeu quando a avó morreu, há alguns anos. Na infância, ele não tinha TV e jamais ouvira falar em ET’s.

Em casa, Guglieri mantém como troféu parte da pedra com liga metálica recolhida por ele da Fortaleza. Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

— Os homens estão entre nós! Mas as pessoas não querem acreditar, e as autoridades não falam para não causar pânico — acredita.

Em 1999, Guglieri perdeu um amigo que dizia ter sido abduzido três anos antes. O homem, um construtor civil de 44 anos, sumiu da praia das Cabras por dois dias e reapareceu em Torres, muito machucado e transtornado. Aos familiares e amigos mais próximos, afirmava ter sido cobaia de uma bateria de exames e, antes de ser libertado, teria recebido um chip na cabeça, por onde se comunicava via ondas magnéticas com os extraterrestres. Cada vez mais em pânico com a própria situação, o homem se tornou alcoólatra e acabou se suicidando. O filho, que pediu para não ser identificado, prefere não relembrar a situação, devido à religião – ele é evangélico. Mas comentou com a reportagem o desespero do pai dizendo que teria um chip na cabeça, que lhe fazia ouvir vozes.

— Meu pai era um homem bom e trabalhador. Depois daquele episódio, ele nunca mais foi o mesmo. Ele afirmava que “os homens” voltariam para levá-lo, e ele não queria. Só afundou. Há coisas que só Deus mesmo — comentou o filho, hoje peixeiro.

A mulher de Guglieri, a confeiteira Marlene, 73 anos, sempre duvidou das histórias contadas pelo marido quando ele voltava da Lagoa da Fortaleza. Até o dia em que foi testemunha da primeira situação. O casal voltava de Tramandaí à noite pela RS-786. Marlene percebeu algo voando ao lado do veículo e, de tão assustada, não conseguiu avisar o marido. O pescador só viu quando o carro apagou por alguns minutos.

— Era um prato em cima do outro, mas o de baixo girava. Nesta hora, o Jorge gritou “os discos estão aí!”. Fiquei perplexa com aquilo. Aquele prato gigante, meio cor de prata, sumiu de repente. Ainda assim, não acreditei no que vi — recorda, com convicção, Marlene.

Numa outra situação, a confeiteira recolhia roupas no varal, por volta das 23h, quando observou a distância o que considerou ser um Óvni movendo-se na direção do mar.

— Ele parecia um charuto. Vinha bem devagar. Tinha uma luz no centro, em cima, e três luzinhas que piscavam embaixo. Aquilo entrou e saiu do outro lado de uma nuvem e parece que pegou um zazzzz (ela faz um gesto rápido com a mão, de baixo para cima) e sumiu. Ele foi para cima. Daí, já fiquei mais espertinha com estas coisas — comenta, aos risos.

“Gostaria de dar uma voltinha”

Na esperança de fazer contato com seres de outros planetas, Guglieri construiu a casa da família com uma abertura para o lado norte da Fortaleza, na direção da praia das Cabras. Do segundo andar, consegue observar o que seria o caminho das naves. Numa noite de setembro do ano passado, um dos netos, Gabriel Guglieri, 10 anos, assustou-se ao ver no céu, sobre a casa dos avós, uma luz intensa se mexendo. Nervoso, tentou fazer fotos com o celular, mas acabaram borradas. No Natal do ano passado, quando a família comemorava a data, todos visualizaram luzes incandescentes sobre a casa. Tentaram usar a filmadora, mas a imagem ficou borrada.

O pescador, que estudou até o quarto ano do Ensino Fundamental, não sabe usar câmeras. Depende dos netos. Até por isso, jamais conseguiu registrar seus avistamentos. Em casa, mantém como troféu parte da pedra com liga metálica (história abaixo) recolhida por ele da Fortaleza. Guglieri guarda um desejo, que pretende realizar em breve.

— Sou considerado louco porque conto mesmo, e os outros têm vergonha e medo. Na verdade, gostaria de dar uma voltinha com “os homens” e depois voltar para contar a todas e provar que não é mais uma história de pescador — confessa, aos risos.

Os casos que levam o ufólogo Osmar Silva a acreditar na existência do portal

  • O relógio solar: um relógio solar de pedra polida e contendo algarismos romanos, surgiu de repente num banhado à beira do lado norte da lagoa da Fortaleza. A pedra teria cerca de 65 toneladas e estava num local completamente inacessível a veículos de quatro rodas. Do barco, os pescadores avistaram a pedra. Depois de alguns dias, a pedra desapareceu e em seu lugar ficou apenas a cratera no solo. O relógio era composto de uma parte redonda no topo da pedra e a base, em forma de cunha lapidada.
  • O pé de arumbeva: havia um pé de arumbeva (um tipo de cactus) com cerca de dez metros de altura. O mesmo tinha uma copa gigante. Certo dia, os pescadores encontraram a planta completamente desidratada e seca. Algumas ervas do entorno também estavam no mesmo estado. A planta ficava exatamente no local onde alguns dos pescadores já haviam visualizado luzes e possíveis ovnis. Ela teria sido queimada pela radiação das naves.
  • Nave mãe: há cerca de 35 anos, Guglieri jura ter visto do lado norte da lagoa o que seria uma nave mãe e com várias naves menores saindo de dentro dela. A comunicação foi feita por sinais luminosos. A maior fazia uma luminosidade longa e três curtas e rápidas. As menores respondiam com um sinal curto e dois longos. Depois de um período, as pequenas entraram na maior, saindo em alta velocidade e sumindo na direção do mar.
  • Pedra misteriosa: Andando numa canoa na parte mais rasa do lado norte da Fortaleza, um pescador tocou numa pedra grande que estava no fundo da lagoa. Junto com um vereador de Cidreira, um armador de barcos, um outro pescador e um mergulhador do Corpo de Bombeiros, eles retornaram ao local. O oficial da Brigada Militar mergulhou e encontrou uma grande pedra próxima à margem. Ela foi sendo tirada aos pedaços. A água da lagoa da Fortaleza foi colhida pela comissão da Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí, que encontrou metais pesados. Foi constatado que não havia depósito de lixo nas proximidades. A pedra foi analisada por um geólogo que não conseguiu identificar o material do qual ela é feita. Os pescadores acreditam que ela seja um meteorito ou dejetos do combustível de algum ovni.
  • Grama queimada: numa noite, um disco voador do tamanho de um fusca ficou fazendo evoluções na frente dos pescadores na lagoa. À distância, eles perceberam que ela chegou a pousar do lado norte antes de desaparecer. No local, ficaram apenas as queimaduras em círculo milimetricamente perfeitas no gramado.
  • Disco voador: o pescador Joaquim Dias dos Santos, com 58 anos na época da entrevista, jura ter avistado um disco voador no canto norte da Fortaleza. A aparição ocorreu há 35 anos. Sem estudos ou conhecimento sobre ufologia, o homem descreveu a situação com precisão.
  • Óvni em Imbé: em julho de 2009, por volta das 18h, surgiu um objeto aparentando formato de charuto, luminoso, sem ruído, piscando intensamente, variando nas cores branco, azul e vermelho e fazendo evoluções no céu. O caso foi relatado e registrado pela família de um policial militar, que também foi testemunha.
  • Uma abdução: uma mulher de Tramandaí contou em detalhes a possível abdução sofrida por ela durante quase 48 horas. O caso ocorreu há quatro anos.

 

FONTE: gauchazh