Em 11 de maio, a Agência Espacial Europeia (de sigla em inglês, ESA) realizou manobras para evitar a colisão de um satélite Copernicus Sentinel-1B com um objeto desconhecido, que poderiam ter ocorrido às 10h20 UTC daquele dia.

Cinco links para download de dados do Copernicus Sentinel-1B, por meio do Sistema Europeu de Retransmissão de Dados por Satélite (EDRS), que ocorreu entre as 05h30 UTC e as 16h00 UTC de 11 de maio, tiveram que ser cancelados devido a essas manobras em órbita.

Os satélites Sentinel são membros do programa Copernicus da Comissão Europeia e da ESA, uma iniciativa para a observação e monitoramento da Terra e de seus oceanos.

O que aconteceu no espaço em 11 de maio? Por que esse incidente espacial não foi mais relatado? A Agência Espacial Europeia (ESA) esconde algo de nós?

Satélites Sentinel e sua missão no espaço

O Sentinel-1B é o quarto satélite do programa Copernicus de Monitoramento Global Europeu para o Meio Ambiente e Segurança, através do qual a Europa está se dotando de autonomia e capacidade tecnológica para Observação da Terra.

Atualmente, o programa de satélite Copernicus é composto por cinco famílias de satélites: Sentinel-1, projetado para garantir a continuidade dos dados de radar dos satélites ERS e Envisat.

O Sentinel 2 e o Sentinel 3 são dedicados ao monitoramento da Terra e dos oceanos. OsSentinel 4 e o 5 serão dedicado a missões de meteorologia e climatologia, com base no estudo da composição da atmosfera.

O Sentinel-1B e sua órbita gêmea quase idêntica distanciam-se 180 graus, fornecendo uma cobertura muito mais abrangente do planeta para monitorar o meio ambiente.

A constelação de satélites fornece uma enorme quantidade de dados e imagens essenciais ao programa e oferece uma série de serviços essenciais para uma ampla gama de aplicações, tais como o monitoramento do terreno, monitoramento do ambiente marítimo, gerenciamento de crises e catástrofes, conhecimento da atmosfera da Terra e monitoramento das mudanças climáticas, além de segurança.

Nesta transmissão de dados mais rápida e eficiente, o Sentinel-1B também inclui um laser para enviar informações para a constelação de satélites geoestacionários EDRS (European Data Relay System).

O objetivo é formar uma via de dados espaciais em que seu envio e recebimento sejam contínuos, sem interrupções.

No entanto, a missão principal do Sentinel-1B é a de observar o uso da terra e do oceano para mapear a extensão da cobertura de gelo marinho, rastrear o tráfego marítimo e monitorar o solo, a água e a massa florestal do planeta.

Agora, se em 11 de maio eles manobraram para evitar colisões com um objeto desconhecido e a recepção e o envio de dados pararam, o que aconteceu no espaço que não nos dizem?

(Fonte) via Ovni Hoje