A agência de segurança de radioatividade da Holanda afirmou que talvez a origem seja uma falha em usinas nucleares no oeste da Rússia. A agência de notícias russa nega que haja problemas na geração de energia nuclear no país.

Países da região nórdica da Europa afirmam que detectaram um leve aumento nos níveis de radioatividade no norte do continente neste mês, e autoridades da Holanda disseram no sábado (27) que talvez a fonte seja russa.

A radioatividade pode indicar que houve dano em um elemento combustível em uma planta nuclear, de acordo com os holandeses.

A resposta foi dada em um texto da agência de notícias russa Tass: as duas usinas nucleares no noroeste da Rússia não tiveram nenhum problema, de acordo com um porta-voz da operadora estatal que gerencia a energia nuclear no país, Rosenergoatom.

De acordo com a Tass, a usina Leningrado, perto de São Petesburgo, e a usina Kola, perto de Murmansk, “operam normalmente, com níveis de radiação dentro da norma”.

As agências que controlam a segurança radioativa na Finlândia, Noruega e Suécia afirmaram na semana passada que notaram quantidades baixas de isótopos radioativos, inofensivos aos humanos, em partes da Finlândia, no sul da Escandinávia e no Ártico.

A agência de segurança para radiação sueca afirmou na semana passada que não é possível confirmar qual seria a fonte do aumento de nível de radioatividade ou de onde vem a nuvem (ou nuvens) com isótopos radioativos que estariam passando pelos céus do norte da Europa.

As agências finlandesa e norueguesa também não fizeram especulações sobre a fonte potencial.

O Instituto Nacional de Saúde Pública e de Ambiente na Holanda disse na sexta-feira que analisou os dados encontrados nos países nórdicos e que esses cálculos mostram que os isótopos radioativos vieram da região oeste da Rússia.

“Os isótopos são artificiais, por isso pode-se dizer que são feitos por humanos. A composição pode indicar dano a um elemento combustível em uma usina nuclear”, disse a agência holandesa.

Como foram feitas poucas mensurações, ela não consegue identificar a fonte.

O porta-voz não identificado da Rosenergoatom disse à Tass no sábado que os níveis de radiação nas usinas de Leningrado e Kola e arredores “permaneceram inalterados em junho, e nenhuma mudança é observada no momento”.

“Ambas as estações estão trabalhando em regime normal. Não houve queixas sobre o trabalho do equipamento “, afirmou a Tass. “Não foram relatados incidentes relacionados à liberação de radionuclídeos fora das estruturas de contenção.”

FONTE