Via ContilNet

O professor indígena Airton Silva de Oliveira afirmou à ContilNet que um Objeto Voador Não Identificado (OVNI) está aterrorizando as aldeias Nova Floresta e Cocoaçu, localizadas no Alto Rio Envira, no município de Feijó. “Passei três noites pastorando. Era uma máquina pequena, que ascendia luzes vermelhas, azuis e verdes”, relatou o índio, acrescentando ainda que o OVNI exalava um odor de pneu queimado.

Airton socorreu o índio Iaka Ashanika, que foi atingido por descarga de um suposto ‘disco voador’

Na semana passada, o professor socorreu o índio Iaka Ashanika, que foi atingido por descarga de um suposto ‘disco voador’, depois de ter disparado 18 tiros de espingarda na direção do objeto. “Ele se deslocava muito rápido, em todas as direções”, declarou Airton. “Ninguém esta conseguindo dormir nas aldeias. Estamos aterrorizados com aquele negocio estranho, que não é um drone”, assegura o professor.

A notícia se espalhou pelo município e já atrai a presença de ufólogos, segundo relatou o radialista Antônio Messias: “Os índios acharam que se tratava de um drone, mas por ter queimado os bicos de todas as lanternas e emitido fortes descargas elétricas, eles ficaram apavorados.”. disse Messias, afirmando que o povo Ashaninka do Alto Evira não consume bebida alucinógena conhecida como Ayahuasca.

O professor aposentado da Universidade Federal do Acre (Ufac) Izan Carvalho de Melo também teria visto um OVNI com as mesmas características, desta feita às margens da BR-364, sentido Manoel Urbano-Feijó. Segundo Antônio Messias, o pesquisador tem o hábito de acampar nas matas da região.

Índio atira em suposto OVNI, recebe descarga elétrica e cai desmaiado em aldeia de Feijó

Os índios acharam que se tratava de um drone, mas por ter queimado os bicos de todas as lanternas e emitido fortes descargas elétricas, eles ficaram apavorados

Na semana passada, um índio conhecido por Iaka Kampa, morador da aldeia Nova Floresta, no rio Envira, no município de Feijó, foi atingido por descarga de um Objeto Voador Não Identificado (OVNI). O suposto ‘disco voador’ teria sido visto por outros índios, que disparam 18 tiros de espingarda em seu rumo. “Ele era muito rápido, tinha uma luz muito forte e esverdeada”, disse o índio Airton Kampa.

Ainda segundo Kampa, os índios acharam que se tratava de um drone, mas por ter queimado os bicos de todas as lanternas e emitido fortes descargas elétricas, eles ficaram apavorados. “Ele aparecia sempre às 1: 30 da madrugada e ficava mais ou mesmo até às duas horas”, disse o índio, que trouxe o amigo atingido até o hospital da cidade.

O professor aposentado da Universidade Federal do Acre (Ufac), Carvalho de Melo, também teria visto um OVNI com as mesmas características, desta feita às margens da BR 364, sentido Manoel Urbano-Feijó. A reportagem ainda não fez contato com o professor, que também mora em Feijó.

Uma das páginas dos relatórios da FUNAI.

DOCUMENTOS DA FUNAIS COMPROVAM OS FATOS:

Download: https://drive.google.com/drive/folders/1p8dfGreZcWtXcpzkxHO0yA18L7xqJpac