“Aqui todo mundo viu um óvni alguma vez na vida” – Alicia Pagez, moradora de Capilla del Monte, na província de Córdoba, no centro da Argentina

Capilla del Monte, um pequeno povoado de dez mil habitantes no norte de Córdoba, é visitado por milhares de pessoas de todo o mundo em busca de experiências transcendentais, ufólogas ou espirituais. O aviso que dá boas-vindas ao povo tem a figura de um extraterrestre verde, careca e com uma cabeça verde sobre um cartaz. As lojas de suvenires vendem quartzos, incensos, livros sobre como harmonizar chacras e figurinhas do mesmo boneco alienígena de olhos redondos tomando fernet, uma bebida tradicional na região. Uma vez ao ano se realiza aqui o Congresso Internacional de Onvilogia, um evento que reúne uma multidão que busca experiências holísticas e ufológicas em suas férias.

Agustín Galarza, por exemplo, viajou 600 quilômetros de Santa Fé para visitar o Centro de Informações de Óvnis localizado no pé das místicas serras que rodeiam Capilla. “Acredito que é bom saber que não estamos sozinho”, diz ele. “O governo precisa saber disso, e por isso esses tipos de lugar são importantes, para que estejamos mais bem informados.” O centro, fundado há 21 anos, fica numa pequena casa de pedras rodeada de jardins com flores e cactus sob a vigilância de uma estátua do extraterrestre verde com olhos negros e uma espécie de sorriso. Luz Mary López é a colombiana de 23 anos que administra e dá palestras no centro.

“Aqui em Capilla se vendem muitos mitos sobre sujeitos, experiências e civilizações para além da humanidade, mas o que nós apresentamos é evidência documental de que os seres humanos não estão sozinhos”, conta à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

Na sala da casa, onde há um lugar para conferências e um estúdio para seu programa de rádio, há cartazes e recortes de jornais velhos e novos, locais e internacionais, das diferentes reportagens segundo as quais o mundo viu a passagem de extraterrestres. São documentadas as linhas de Nazca, no Peru, por exemplo, assim como as pedras de Stonehenge, na Inglaterra.

Como o lugar ganhou fama E também há uma parede inteira que documenta o evento que originou toda essa história: a pegada de pássaro no monte Uritorco, a quatro quilômetros de Capilla del Monte. Reza a lenda que um suposto óvni parou sobre uma das esplêndidas serras da região em 9 de janeiro de 1986 e deixou uma marca oval de 122 metros de largura por 64 de altura, que permaneceu no lugar por três anos. Três pessoas que viviam próximo ao monte Pajarillo disseram ter visto nesta noite “uma nave redonda com janelinha”, e depois “uma luz vermelha enceguecedora” que iluminou a casa. Os testemunhos foram divulgados no dia seguinte e a história cresceu como uma bola de neve.

Foi narrada assim, como um fato, pela agência de notícias estatal, a Télam:

“Um objeto voador não identificado de grandes dimensões, cujas evoluções foram observadas por uma hora, desceu a ladeira de uma das colinas da Sierra del Pajarillo, a uns 12 quilômetros a noroeste de Capilla del Monte”.

Com o tempo, surgiram teorias de que tratou-se de um incêndio provocado e controlado para promover Capilla como destino turístico ou que do teste de um míssil por parte do Exército.

Mas embora seja a mais importante, a história da pegada do pássaro é uma entre as muitas que se ouvem em Capilla del Monte sobre a presença de seres não identificados. Outra, por exemplo, fala da existência da cidade de Erks, no centro do monte Uritorco, onde supostamente é guardado um “cetro” que foi confeccionado há 8 mil anos para um chefe dos Comechingón, a sociedade indígena que vivia na região e foi massacrada com a chegada dos espanhóis.

Acredita-se que neste cetro esteja a sabedoria da humanidade.

FONTE