Documentos internos do PCC revelam que pacientes em Wuhan tiveram sintomas já em setembro de 2019, mas as autoridades não divulgaram ao mundo

Por Eva Fu

Uma série de documentos que vazaram mostra que pacientes na China com sintomas semelhantes aos da COVID-19 foram hospitalizados meses antes do cronograma oficial do regime, colocando em questão quando exatamente o vírus do PCC começou a se espalhar em Wuhan, o marco zero da epidemia da China.

Pelo menos um paciente com sintomas semelhantes aos da COVID-19 foi tratado em setembro de 2019, de acordo com dados hospitalares obtidos pelo Epoch Times de uma fonte confiável que tem acesso a documentos governamentais. Outras dezenas foram hospitalizadas no mês seguinte.

Os hospitais de Wuhan também relataram várias mortes em outubro de 2019 devido a pneumonia grave, infecções pulmonares e outros sintomas semelhantes aos de pacientes com COVID-19.

A comissão de saúde da cidade anunciou publicamente o surto de uma nova forma de pneumonia em 31 de dezembro de 2019, depois que as postagens de médicos denunciantes nas redes sociais se tornaram virais.

Em uma carta datada de 19 de fevereiro obtida pelo Epoch Times, uma equipe de investigação nacional criada pelo governo central afirmou que desejava rastrear os primeiros casos da doença. Ela pediu às autoridades locais dados de todas as instituições médicas de Wuhan durante o período de 1º de outubro a 10 de dezembro de 2019, incluindo informações sobre pacientes que visitaram clínicas de febre nas proximidades do Mercado de Frutos do Mar de Huanan, um mercado úmido que as autoridades inicialmente identificaram como a origem do surto; detalhes dos primeiros 10 casos suspeitos em cada agência médica classificada como nível dois ou acima (três é o mais alto); e mortes por pneumonia com sintomas semelhantes aos da COVID-19.

A carta afirmava que os nove hospitais que mais recebiam pacientes com COVID-19 na cidade, eram fundamentais para a investigação.

O Epoch Times teve acesso a parte dos registros em resposta ao inquérito que averiguou 11 hospitais.

Apesar dos dados coletados, a força-tarefa de controle de surto de Wuhan disse à mídia em 26 de fevereiro que o primeiro paciente documentado era uma pessoa de sobrenome Chen, que adoeceu em 8 de dezembro de 2019.

Não está claro se as autoridades realizaram investigações sobre os primeiros casos antes de fevereiro.

Para alguns críticos, a investigação pareceu bastante limitada e chegou tarde demais. “Para que uma doença respiratória tão massiva estourasse na área, como eles não rastrearam todos os outros hospitais?” Sean Lin, ex-diretor de laboratório do ramo de doenças virais do Instituto de Pesquisa do Exército Walter Reed, disse ao Epoch Times.

“Isso deveria ter sido feito há muito tempo”, disse ele, chamando o inquérito atrasado de “ridículo”.

Pacientes com suspeita de vírus

Os registros obtidos mostraram nove mortes devido a condições semelhantes à COVID-19 em três hospitais.

Cinco eram pacientes com pneumonia grave que morreram entre novembro e dezembro de 2019 no Hospital No. 6 de Wuhan, um dos hospitais mencionados na carta de inquérito. O Hospital de Medicina Tradicional Chinesa de Wuhan, um hospital terciário, teve três mortes em outubro. O Hospital Wuhan No. 8 registrou uma morte.

Captura de tela de um documento que vazou mostrando detalhes de pacientes com sintomas semelhantes aos da COVID no Wuhan Puren Jiangan Hospital, em 21 de fevereiro de 2020. Parte das informações foi ocultada pelo Epoch Times para proteger a privacidade dos pacientes (Fornecido ao Epoch Times)
Captura de tela de um documento que vazou mostrando detalhes de um paciente com sintomas semelhantes aos da COVID no Wuhan Puren Jiangan Hospital, em 21 de fevereiro de 2020. Parte das informações foi ocultada pelo Epoch Times para proteger a privacidade dos pacientes (Fornecido ao Epoch Times)

Os pacientes morreram dentro de um período de vários dias a cerca de quatro semanas após o aparecimento dos primeiros sintomas.

Xu Zhenqian, por exemplo, foi hospitalizado no hospital No. 6 de Wuhan. O homem de 82 anos começou a apresentar sintomas em 1º de outubro de 2019, incluindo ataques de tosse sem causa aparente e tosse com catarro branco, um sinal de infecção respiratória, de acordo com a descrição clínica do hospital. O paciente foi transferido de outra clínica pouco antes de sua morte em 3 de novembro.

Três outros pacientes do mesmo hospital também tiveram dificuldade para respirar antes de morrer. Suas tomografias mostraram marcas borradas em seus pulmões – padrões que correspondem às lesões em alguns pacientes com COVID-19.

Os arquivos também identificaram pelo menos 40 outros pacientes suspeitos de COVID-19 em oito hospitais, sendo o mais antigo Xiao Niangui, de 67 anos, que começou a apresentar sintomas em 25 de setembro de 2019 e foi hospitalizado no Wuhan Puren Jiang’an Hospital.

Captura de tela de um documento que vazou mostrando detalhes de pacientes com sintomas semelhantes aos da COVID no Wuhan Puren Jiangan Hospital, em 21 de fevereiro de 2020. Parte das informações foi ocultada pelo Epoch Times para proteger a privacidade dos pacientes (Fornecido ao Epoch Times)
Captura de tela de um documento que vazou revelando detalhes de pacientes com sintomas semelhantes aos da COVID no Wuhan Puren Jiangan Hospital, em 21 de fevereiro de 2020. Parte das informações foi ocultada pelo Epoch Times para proteger a privacidade dos pacientes (Fornecido ao Epoch Times)

Wuhan tem 205 unidades de saúde em nível comunitário e municipal e 66 hospitais designados para o tratamento de pacientes com COVID-19, disseram autoridades municipais em março.

A falta de transparência da China tem sido fortemente criticada por funcionários do governo. O país recusou-se sistematicamente a permitir que especialistas dos Estados Unidos e da Organização Mundial da Saúde (OMS) estudassem o surto no país. Em 12 de fevereiro, um funcionário dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA disse que a agência ainda não conseguia acessar “dados diretos” sobre o surto e “continua esperançosa de que seremos convidados a fazer isso”.

Em uma entrevista à mídia divulgada em 1º de maio, um representante da OMS na China também disse que a China excluiu os especialistas da Organização da investigação sobre o vírus no país.

Nicole Hao contribuiu para esta reportagem.

Epoch Times