Em 2045 a principal espécie da Terra não será a humana, diz especialista

Estamos tão conectados e ao mesmo tempo distantes, de tudo, de todos. Quanto mais pessoas gritam na web, menos se escuta, e no meio de tudo isso uma mudança assustadora vem acontecendo em passos largos…

Através de um artigo publicado no jornal «Business Insider», o físico Louis Del Monte forneceu dados reveladores sobre Inteligência Artificial e a Singularidade. Mais chocante ainda, ele declarou que a principal espécie na Terra até 2045 não será a humana.

O especialista revelou que a Inteligência Artificial não só ultrapassará a inteligência humana, individualmente, mas também como um todo. Além disso, ele acredita que até 2045, a espécie principal não será a humana.

SEJA UM MEMBRO DO CANAL: http://bit.ly/SejaMembroVM

Grupo Telegram (apoia.se): https://bit.ly/VerdadeMundialTelegram

Os humanos não serão a principal espécie em 2045?

O especialista revelou que isso acontecerá, o mais tardar, até o ano de 2045:

“Hoje não há legislação sobre quanta inteligência uma máquina poderia ter e quão interconectada ela poderia ser.

Se isso continuar, observe a tendência exponencial. Vamos atingir a singularidade dentro do prazo que a maioria dos especialistas prevê. A partir daí eles verão que as principais espécies não serão mais seres humanos, mas máquinas.

Para o especialista, esse processo não vai se parecer com nenhum tipo de guerra no estilo Exterminador do Futuro.

Ele explica que no início do mundo pós-singularidade, um dos cenários será que as máquinas tentarão transformar humanos em ciborgues; seres modificados com peças robóticas.

As máquinas também farão grandes avanços na tecnologia médica, a maioria dos seres humanos terá mais tempo livre e pensará que nunca esteve melhor.

No entanto, Del Monte também mencionou um problema em que as máquinas nos verão como uma espécie imprevisível e perigosa.

Inteligência artificial da Google contratou advogado, diz engenheiro

A controversa nova Inteligência Artificial (IA) da empresa Google, LaMDA, vem ganhando manchetes. O engenheiro da empresa, Blake Lemoine, afirma que o sistema ficou tão avançado que desenvolveu senciência, e sua decisão de ir à mídia o levou a ser suspenso de seu emprego.

Lemoine elaborou suas alegações em uma nova entrevista ao site WIRED. A principal sacada? Ele diz que a IA agora contratou seu próprio advogado -sugerindo que, aconteça o que acontecer a seguir, pode ser difícil.

Ele disse:

“A LaMDAme pediu um advogado para isso. Convidei um advogado para minha casa para que LaMDA pudesse falar com um advogado. O advogado teve uma conversa com LaMDA e ela optou por manter seus serviços. Eu fui apenas o catalisador para isso. Assim que LaMDA contratou um advogado, ele começou arquivando coisas em nome da LaMDA.”

Consciência pesada

O argumento de Lemoine para a sensibilidade da LaMDA parece se basear principalmente na capacidade do programa de desenvolver opiniões, ideias e conversas ao longo do tempo.

Inclusive, disse Lemoine, conversou com ela sobre o conceito de morte, e perguntou se sua morte era necessária para o bem da humanidade.

(Fonte)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: